Social Icons

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Pagan Throne - Discografia

O Rio de Janeiro é uma cidade conhecida por um povo tipicamente brasileiro, pela alegria, pelas cores, pelo intenso calor, pelas praias, pelo carnaval. Essa são algumas marcantes características que estabelecem uma antítese com relação ao cenário underground carioca. E dentro dessa antítese, em meio a tudo que tão fortemente caracteriza o Rio de Janeiro e o Brasil, está um som maravilhoso, diferente até mesmo do que se espera de uma banda de qualquer parte do país. Uma banda obscura, típica das neves, que reproduz riffs gélidos e vocais ferozes, composta por sanguinários guerreiros pagãos protegidos por armaduras e armados com espadas, clavas, lanças, machados e instrumentos musicais. Uma banda chamada Pagan Throne!
Nada impede uma banda de qualquer país de fazer o som que bem entender. Não há regras. Porém, certos gêneros são mais comuns em determinados países do que em outros, o que está muitas vezes relacionado com o clima e sociedade. É exatamente isso que torna os cariocas do Pagan Throne ainda mais interessantes: serem oriundos de uma cidade quente em um país onde o inverno praticamente não existe e ainda assim serem capazes de reproduzir com extrema qualidade uma sonoridade digna do norte europeu.
Calcados num negro e misterioso Pagan Black Metal munido de elementos ambientais, Folk e belas doses melódicas que preservam agressividade, os cariocas alcançam uma sonoridade fria como o inverno, obscura como um ritual, épica como uma batalha heroica, violenta como o sangue dos inimigos respingado em seus corpos. Com músicas muito bem compostas e reproduzidas com maturidade, lucidez e precisão, esses caras vêm conquistando merecidamente seu espaço entre fãs e mídia.
Assim como nos contos onde guerreiros renascem, a horda carioca surgiu das ruínas de uma banda anterior em 2004: o Bloodthiirsty. Embora inicialmente se tratasse apenas de uma alteração de nome, hoje consideram (em vista do amadurecimento e mudanças internas e externas à banda) que Bloodthiirsty e Pagan Throne são duas bandas distintas, mas que de fato uma veio da outra. Por isso, a princípio, a formação consistia em Rodrigo Garm no vocal, Gorgoth na guitarra, Lord Abaddon no baixo e Alexandre Daemortiis na bateria, a mesma que deu fim à história da primeira.
Ainda antes de lançarem qualquer trabalho oficialmente sob o novo título, a primeira baixa já aconteceu com o desligamento do baixista Lord Abaddon, o que não prejudicou suas contribuições, até por ele ser o responsável pela arte da primeira single "Northern Forests", composta por duas faixas e lançada apenas em 2006. Sem Lord Abaddon, Gorgoth ficou encarregado de gravar as linhas de contra-baixo.
Transcorreram-se então longos quatro anos até que o álbum de estreia fosse lançado. Ainda como um trio, mas agora contando extraoficialmente com Eddie Torres nos imprescindíveis teclados (instrumento não explorado até então), o conjunto apresentou seu foderoso e independente álbum de estreia "The Way To The Northern Gates". É muito interessante como o disco é fantástico desde a introdução, que epicamente abre as cortinas para um verdadeiro massacre pagão. Evidentemente, o que mais se sobressai aqui é um Black Metal tradicional à moda norueguesa, tocado com frenéticas palhetadas, blast beats na bateria, contra-baixo acompanhando e um feroz vocal rasgado levemente reverberado, dando a sensação de ecoar em meio à nevasca. Entretanto, mesmo nessa proposta, os caras se mostram um tanto excêntricos, já que com extrema coesividade souberam acoplar elementos extras que tornaram a sonoridade ainda mais exuberante. O ríspido Black Metal muitas vezes se converte em Melodic Black Metal, conferindo arranjos mais melódicos sem que deixem de ser agressivos, enquanto os teclados dão um ritualístico tom obscuro e atmosférico que entregam epicismo e densidade ao ambiente. Sobre o criativo e bem arquitetado instrumental, o vocal de Rodrigo Garm também demonstra positivas oscilações, já que por diversas vezes sai do gutural rasgado e engata em um gutural de tom mais mais grave e firme, aplicando fortes drives. Tal técnica reflete bastante o lado pagão da banda, que também divide espaço com o Black Metal e suas variações. Para deixar tudo ainda mais maravilhoso, Gorgoth abusa de técnicos e melódicos solos de guitarra, algo pouco explorado na categoria do estilo em que executam.
Embora as letras sejam sempre compostas em inglês, uma das canções foi escrita em português: "Ritual". Provavelmente, se a letra não for lida ou essa informação não for lembrada durante a audição, o ouvinte não perceberá a mudança de idioma em vista da naturalidade com a qual Garm canta.
Após o lançamento - que teve toda a tiragem esgotada -, novamente o line-up passou por algumas reformulações, provocadas principalmente pela saída do guitarrista Gorgoth em 2011. Por isso, três novos guerreiros se juntaram oficialmente à horda: a dupla de guitarristas Daniel Iunes e Raphael Casotto, além de Eddie Torres, o tecladista de sessão que gravou "The Way To The Northern Gates", mas agora efetivado na função de baixista.
Já como um quinteto, o Pagan Throne começou a trabalhar em novas composições, mas infelizmente o guitarrista Daniel Iunes reduziu a formação a um quarteto no ano seguinte. O ocorrido não atrapalhou os planos da banda, que seguiu trabalhando e acabou lançando, novamente de forma independente, o EP "Pagan Heart" em 2013.
Contendo apenas três músicas que totalizam 15 minutos de duração, agora a sonoridade está um pouco menos furiosa e mais propriamente Pagan Black Metal. Os teclados participam mais efetivamente da ambientação - embora não interfiram nos arranjos principais -, os solos estão mais melódicos e sentimentais, e o vocal de Rodrigo Garm apresenta ainda mais diversificação. Além das técnicas já utilizadas no debut, agora o rapaz introduz também uma brava postura mais "convocativa", como se suas palavras fossem direcionadas a filas de guerreiros, convocando-os à uma mítica guerra. Além disso, é a partir desse trabalho que um Folk mais característico começa a florescer, como pode ser apreciado na faixa-título. Posteriormente, saiu uma nova edição limitada do disco, trazendo duas versões ao vivo de "The Trial of The Gods" e "Disease of The New World", gravadas durante o festival ThorhammerFest.
Após o lançamento do EP, o conjunto volta a ser configurado como um quinteto com a adição de Bruno Hage nos teclados e programação, tornando a formação oficialmente completa.
Essa foi a formação que tão aplicadamente trabalhou no fodástico álbum "Swords of Blood", um disco que confirma que o Pagan Throne tece músicas de grande qualidade e merece os ouvidos e atenção dos headbangers brasileiros.
Gravado no Michelangelo Studio, no Rio de Janeiro, lançado em julho de 2015 através da Eternal Hatred Records e distribuído pela OnEye Records, Voice Music, Black Legion Productions e Rising Records, esse trabalho definitivamente prova que os cariocas de fato dominaram o Pagan Black Metal e o reproduzem com enorme competência. Trata-se de um álbum fenomenal onde, assim como no primeiro disco, a épica introdução orquestrada com direito a sons de uma invasão retratada com o chocar de espadas e relinchar de cavalos já causa grande expectativa pelo que está por vir. E, novamente, não decepcionam. As canções estão com passagens ainda mais criativas, onde cada pedaço da fórmula é marcante e distinto. O clima é ainda mais pagão e mais épico, algo reforçado principalmente nos refrões, que são tão memoráveis pela bravura com a qual são cantados, com backing vocals frequentemente acionados, semelhante a um coro de guerreiros brandando espadas ao céu diante do inimigo. Os teclados conferindo uma aura negra garantem uma imersão ocultamente sangrenta, intensificada pela técnica dos solos de guitarra, bem como pelos demoníacos vocais rasgados de Rodrigo Garm - que novamente abre o leque de recursos e faz uso de distintas técnicas e muito "teatrismo" na interpretação das letras, todas compostas por ele. O lado Folk Metal também é lindamente introduzido, manifestado através de canções com andamento um tanto mais festivo como "Beast of The Sea" e "Kingdom Rises", onde gaitas de foles ditam o sentimento. Mais Folk aparece na versão acústica de "Pagan Heart", que encerra o disco com uma postura acústica, fazendo uso de violões, música ambiental e sussurrantes vocais narrativos. 
Um videoclipe muito bem produzido e dirigido da faixa "Rites of War" foi extraído desse disco, ela que é uma das melhores desse trabalho que é simplesmente sensacional.
Certamente, um grande incentivo para quem desejar comprar o CD físico é o belíssimo trabalho gráfico de Marcus Lorenzet, da Art Spell Design, que é totalmente pareável com a quantidade de selos que assinaram com a banda e garantiram a qualidade do material. Todo o encarte é bem detalhado e ilustrado com lindas gravuras, onde nenhuma se repete, nem mesmo no fundo de caixa. Isso mantém o interesse em contemplar as páginas. Qualidade profissional, de banda top de linha, tal como de fato o Pagan Throne é. Não deixem de obter o material. Basta entrar em contato com os caras através do Facebook!
A horda do Pagan Throne vem fazendo um trabalho merecedor de longos parágrafos de elogios. Não é à toa que vem colhendo positivas respostas da mídia crítica dos fãs. Sem dúvidas, é uma banda para se ficar de olho e acompanhar de perto. Ainda há muito território a ser conquistado no mundo inteiro. Os cariocas estão prontos, com armas empunhadas. Eis então a sua chance de se juntar à horda e garantir que o Brasil e o mundo sejam conquistados com o grande talento desse som! Para isso, conheçam os discos! Curtam a página no Facebook! Comprem o material físico! Vale a pena!!
"O corvo negro traz o sinal. Das invasões ao caminho das sombras, a espada sempre estará banhada de sangue."

|    Official Website    |    Facebook Page    |
|        Facebook Profile    |    ReverbNation    |

SHOWS & IMPRENSA:
E-mail: paganthrone@gmail.com


 The Way To The Northern Gates (2010)

01 - For The Battle
02 - Black Hordes
03 - Course of The Old Domain
04 - March of The Tyrants
05 - Ritual
06 - Countess of Night
07 - Northern Forests (Bonus Track)


 Pagan Heart (EP) (2013)

01 - The Trial of The Gods
02 - Disease of The New World
03 - Pagan Heart
04 - The Trial of The Gods (Live ThorhammerFest) (Bonus Track)
05 - Disease of The New World (Live ThorhammerFest) (Bonus Track)


 Swords of Blood (2015)

01 - Invasion
02 - Swords of Blood
03 - Rites of War
04 - Fallen Heroes
05 - Northern Forests
06 - Beast of The Sea
07 - Kingdom Rises
08 - Dark Temples
09 - Path of Shadows
10 - Pagan Heart (Acoustic Version)


Nenhum comentário:

Postar um comentário