Social Icons

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Exhumed - Discografia

Você está feliz com os rumos que o Metal toma atualmente? Está feliz com as maneiras modernas de fazer uso de estilos tradicionais como o Death Metal e o Grindcore? Bem, é sempre interessante se manter antenado e de cabeça aberta. Porém, gosto é gosto, então há quem não goste mesmo e prefira algo mais "à moda antiga". Esse conceito de oposição às maneiras mais sofisticadas de executar o Death Metal (como Melodic Death Metal e Technical Death Metal) foi o norte da bússola do vocalista e guitarrista Matt Harvey ao moldar os direcionamentos do Exhumed. Essa insatisfação, em liga com influências líricas e sonoras do Grindcore, gerou uma sonoridade visceral capaz de agradar a todos aqueles que têm sede do sangue expelido por esse tipo de abordagem, de letras ricas em chacina.
A banda foi fundada em 1990 em San Jose, na Califórnia, quando Matt Harvey tinha apenas 15 anos de idade. Fã dos primeiros estágios de bandas como Carcass, Entombed, Impetigo, Terrorizer, entre outras, ele sempre buscou mais representantes da linha, mas na época era mais difícil obter esse tipo de acesso. Então optou por criar a sua própria, à sua maneira.
Inicialmente a formação consistia em Matt no vocal/guitarra, Jake Giardina no outro vocal, Derrel Houdashelt na outra guitarra, Ben Marrs no baixo e Col Jones na bateria. O sexteto lançou três demos em 1992 ("Dissecting The Caseated Omentum", "Excreting Innards" e "Goregasm"), antes dos problemas de instabilidade iniciarem e provocarem uma grande rotatividade de integrantes ao longo dos anos seguintes. Diversas demos e splits foram lançadas entre 1992 e 1998, sempre apresentando uma sonoridade cada vez mais voltada para um Death Metal/Grindcore mais tradicional, à medida que Matt se tornava mais insatisfeito com o direcionamento que Carcass e Entombed tomavam. Não gostar sequer da jogada mais técnica de bandas como Nile e Dying Fetus também foi determinante para que músicas mais cruas e objetivas fossem confeccionadas, desembocando no lançamento do debut "Gore Metal" em 1998, através da Relapse Records.
Aqui, o agora quarteto composto por Matt Harvey no vocal e guitarra, Ross Sewage no vocal e baixo, Mike Beams na segunda guitarra e Col Jones na bateria, alcançou uma musicalidade incitadora de moshs, com canções rápidas, sem refrões, direto ao ponto. A alternância entre guturais rasgados e porcos guturais fechados é predominante, ambos cantados aceleradamente. Porém, há momentos de cadência onde o gutural fechado fica mais arrastado e o instrumental decai mais ao Grindcore. Alguns solos aparecem por momentos, intensificando o ritmo acelerado, guiado por insistentes porradarias na bateria. A qualidade de gravação não é das melhores. É um tanto baixa e abafada, mas isso só tornou o álbum ainda mais underground e símbolo daquilo que Matt almejava.
Uma turnê através dos Estados Unidos sucedeu ao lançamento, com participações em diversos festivais. Novas mudanças irromperam no line-up até 2000, quando a banda, resumida em um trio (Matt, Mike e Col), contou com um exército de membros de sessão para a gravação e lançamento do álbum "Slaughtercult". O trabalho apresenta qualidade de produção um pouco melhor, além de uma sonoridade melhor trabalhada e mais acelerada, com músicas estruturadas por refrões (difíceis de notar), riffs mais complexos e variantes, solos mais presentes, técnicos, velozes, escalados. Sem dúvidas, "Slaughtercult" representa um avanço em relação à brutalidade e produção, assim como a consolidação do Exhumed no cenário e naquilo que se propôs a fazer. Os dois álbuns influenciaram bastante bandas posteriores que optaram por percorrer caminho similar.
Uma nova turnê teve início após o lançamento, novamente passando pelos Estados Unidos e, pela primeira vez, cruzando o oceano até a Europa, onde tocaram em vários festivais, incluindo o Wacken Open Air.
Com a chegada do baixista Bud Burke em 1999 (que não participou das sessões de gravação de "Slaughtercult"), a banda volta oficialmente a ser um quarteto. Dessa forma lançam o sofisticado "Anatomy Is Destiny" em 2003. Aqui a qualidade de gravação ganha força definitiva, aguçando o amadurecimento da banda, expressado através da manutenção da sonoridade matadora anteriormente executada e um melhor desenvolvimento do lado Death Metal. Alguns detalhes diferentes podem ser notados, como a maior incidência dos solos - que por vezes pendem levemente ao melódico -, além do maior acionamento de guturais rasgados do que de fechados, mesmo que ambos se mantenham presentes, alternada e conjuntamente.
Apesar de ser melhor composto, maduro e técnico, o disco recebeu resenhas mistas pelas revistas especializadas, que criticaram a falta de refrões marcantes (algo estranho, uma vez que apesar de inserir refrões nas canções, elas soam e sempre soaram bem lineares).
Mais alterações no line-up vieram nos tempos seguintes, pois o baixista Bud Burke deixou o conjunto logo após o lançamento e foi substituído por Leon del Müerte. O baterista Col Jones também se desligou, afetando severamente a criatividade da banda, uma vez que auxiliava nas composições. Enquanto um substituto era procurado, a compilação "Platters of Splatter" saiu em 2004, trazendo três CDs com antigas e raras gravações do Exhumed. No mesmo ano, Danny Walker substituiu Col Jones nas baquetas e a banda saiu em turnê pela América do Norte, Europa, Japão e Austrália. Entretanto, de novo a formação sofreu queda com a saída do guitarrista Mike Beams e do novo baterista Danny Walker. Wes Caley e Matt Connell preencheram os postos, respectivamente, fazendo a engrenagem produtora de música voltar a girar, mas não a transmitir força.
Com isso, entraram em estúdio, gravaram e lançaram em 2005 o modesto álbum de covers "Garbage Daze Re-Regurgitated". Composto por covers de bandas como The Cure, Pentagram, Metallica, Master, Led Zeppelin, entre outros nomes, esse trabalho é mais um "filler", lançado apenas para demonstrar serviço, mostrar que a banda estava ativa apesar da tempestade nos bastidores. Matt Harvey estava muito frustrado com as baixas na formação e com como a banda não estava indo como desejava. Os músicos que chamava para fazer parte da banda não satisfaziam. Ele sempre tinha que ensinar o que e como fazer. Isso o cansou e a banda acabou entrando em hiato naquele ano de 2005.
Durante o tempo de pausa, Matt tocou em outras bandas como Scarecrow, Dekapitator e Gravehill e, segundo ele, aquilo o mostrou que a paixão pela música não se foi, mas a paixão pelo Exhumed, sim.
Foram longos cinco anos de hiato até que Matt passasse a sentir arrependimento de ter parado e lamentasse que o último álbum do Exhumed tenha sido cover. Por isso, já rejuvenescido com nova mentalidade, energia e objetivos, reativou a banda e chamou a galera de volta para continuar os trabalhos. A intenção não era uma reunião. Não era uma lembrança do passado. Era pra seguir em frente, prosseguir e lapidar ainda mais a antiga proposta. Com o guitarrista Wes Caley, o baixista e vocalista Leon del Müerte e o baterista Danny Walker de volta, a banda entrou em estúdio e gravou o excelente "All Guts, No Glory", lançado em julho 2011 ainda com a Relapse Records. O trabalho feito aqui é primoroso. A qualidade da produção é moderníssima. Clara, pesada, alta, muito bem polida. Tem energia, sentimento. É massacrante. Quem gosta de produção contemporânea tem orgasmos pelo ouvido. A bateria é muito bem trabalhada, é divertido reparar os bumbos. As guitarras têm riffs velozes, variam bastante. O vocal é em grande parte gutural rasgado, mas o fechado ainda se faça bastante presente, mas como apoio. Apesar de todo o esplendor do álbum, ele é também um tanto irônico se você pensar no que Matt dizia sobre a modernização do Metal. Digo, esse é um álbum moderníssimo, e os solos combinam não apenas velocidade e técnica, mas também muitas cadências sentimentais, melódicas, além de muita alavancada. Características modernas, de Melodic Death Metal. Mas segundo a opinião de Matt, trata-se de um álbum que une a agressividade de "Gore Metal" e "Slaughtercult" com a melodia de "Anatomy Is Destiny".
Uma extensiva turnê veio a seguir. Ao fim dela, as primeiras baixas desde o retorno aconteceram: o baixista e vocalista Leon del Müerte e o baterista Danny Walker deixaram novamente o conjunto para seguirem com o Murder Construct e concluírem o álbum debut. Suas vagas foram preenchidas por Rob Babcock e Mike Hamilton, respectivamente.
No ano seguinte é a vez do guitarrista Wes Caley deixar outra vez Matt Harvey como único membro original remanescente. Bud Burke tomou então seu lugar. Esse foi o quarteto que gravou e lançou em 2013 o excelente "Necrocracy". As guitarras perdem peso e força em relação a "All Guts, No Glory", porém, ganha harmonia. Esse atributo provém de uma interessante influência de Thrash Metal, que deixou também os solos mais vigentes e melódicos e as linhas vocais mais cantadas, meio que como se faz no Crossover. O álbum retrata bem o desejo de Matt de compôr músicas cada vez mais grudentas, de fácil assimilação, que tragam o ouvinte a repetir a audição por se lembrar daquela passagem marcante. Por isso também, os dois últimos lançamentos possuem o tal do refrão marcante que a mídia dizia faltar em "Anatomy Is Destiny". Uma das coisas mais marcantes do trabalho é a passagem de violão presente em "Dysmorphic", por exemplo, uma das faixas mais macias do registro. Essa veia mais acessível contrasta com o peso dos já tradicionais duetos entre os diferentes tipos de guturais e uma bateria que esmaga.
Em novembro de 2014 outra baixa irrompeu na formação do Exhumed, agora devido a saída do baixista Rob Babcock, que chegou a ser substituído por Matt Ferri, mas ele saiu pouco depois. Atualmente a banda segue como um trio.
"Gore Metal", o primeiro álbum do conjunto, é um dos álbuns preferidos do líder e fundador Matt Harvey. Em uma entrevista ele teria dito que sempre que o ouve, gosta das músicas, mas lamenta o fato da produção ter sido precária. Então veio em 2015 a possibilidade de regravá-lo e lançá-lo nos moldes modernos de produção e mentalidade da banda. Essa possibilidade foi concretizada com a chegada de "Gore Metal: A Necrospective 1998-2015", disco duplo onde o primeiro CD contém "Gore Metal" totalmente regravado, com nova atmosfera e novos arranjos, e o segundo CD é o álbum na gravação original.
O Exhumed é uma banda pavorosa que faz uso da temática "gore" para expressar tudo que bem entendem. Matt alega que esse é um tema onde tudo pode ser inserido de forma alegórica, por isso o utiliza para criticar política, sociedade, relações interpessoais, economias. Nada explícito. E isso acaba por ser a temática perfeita para dar sentido a uma sonoridade que soa brutal, visceral, tradicional. Apesar de atualmente terem saído um pouco da proposta inicial - que era fazer tudo à moda antiga -, a banda não perdeu força nem certo clima de underground. Pois essa é sua essência. Essa é sua alma. E é isso que os fãs procuram na banda.


 Dissecting The Caseated Omentum (Demo) (1992)

01 - Caseating Decomposition
02 - Oozing Rectal Feast
03 - Culinary Pathology
03 - Culinary Pathology
05 - Embryonic Regordation
06 - Ziploc Body-Bag


 Excreting Innards (Demo) (1992)

01 - Festering Sphinctral Malignancy
02 - Perverse Innard Infestation
03 - Coital Mutilation
04 - Disfigured Corpse
05 - Grubs
06 - Cadaveric Splatter Platter


 Goregasm (Demo) (1992)

01 - Perverse Innard Infestation
02 - Excreting Innards
03 - Ziploc Bodybag
04 - Goregasm
05 - Coital Mutilation
06 - Oozing Rectal Feast
07 - Splurgee
08 - Pyathrotic Discorporation
09 - Caseating Decomposition
10 - Embryonic Regordation
11 - Ben's Song
12 - Festering Sphinctral Malignancy
13 - Cadaveric Splatter Platter


 Grotesque Putrefied Brains (Demo) (1993)

01 - Grotesque Putrefied Brains
02 - Pyathrotic Discorporation
03 - Excreting Innards


 Horrific Expulsion of Gore (Demo) (1994)

01 - Radiator Bitch
02 - Excoriated, Emasculated, and Dead
03 - Quagmire of Flesh
04 - Puke of The Dead
05 - Carneous Corneal Carbonization
06 - Vagitarian


 In The Name of Gore (Split) (1996)

01 - Hemdale: Delicious Gory Fun
02 - Hemdale: Pus Filled Carcass
03 - Hemdale: Overflow
04 - Hemdale: Bathing In Mucus and Bile
05 - Hemdale: Tasty Hemorrhoidal Tissue
06 - Hemdale: Brutally Mauled Human Remains
07 - Hemdale: Succulent Torso Crescendo
08 - Hemdale: It Burns... and It Just Plain Smells Bad
09 - Hemdale: Are You Pornophoric?
10 - Hemdale: Demented Surgical Incest
11 - Hemdale: Artificial Masturbation
12 - Hemdale: Licking Mental Patients' Cum Off The Sheets
13 - Hemdale: Curse The Gods (Destruction Cover)
14 - Exhumed: Horrendous Member Dismemberment
15 - Exhumed: Septicemia (Festering Sphinctral Malignancy, Part II)
16 - Exhumed: Masochistic Copramania
17 - Exhumed: Necrovores- Decomposing The Inanimate
18 - Exhumed: Disinterred, Digested, and Debauched
19 - Exhumed: Bone Fucker
20 - Exhumed: The Naked and The Dead
21 - Exhumed: Necro-Transvestite
22 - Exhumed: Torso
23 - Exhumed: Dissecting The Caseated Omentum
24 - Exhumed: Death Metal (Possessed Cover)


 Gore Metal (1998)

01 - Necromaniac
02 - Open The Abcess
03 - Post-Mortem Procedures
04 - Limb From Limb
05 - Enucleation
06 - Casketkrusher
07 - Deathmask
08 - In My Human Slaughterhouse
09 - Sepulchural Slaughter
10 - Vagitarian II
11 - Blazing Corpse
12 - Deadest of The Dead
13 - Sodomy & Lust (Sodom Cover)


 Slaughtercult (2000)

01 - Decrepit Crescendo
02 - Forged In Fire (Formed In Flame)
03 - A Lesson In Pathology
04 - The Axe Was Made To Grind
05 - Carnal Epitaph
06 - Dinnertime In The Morgue
07 - Fester Forever
08 - Deep Red
09 - Infester
10 - Slave To The Casket
11 - Slaughtercult
12 - Funeral Fuck
13 - Vacant Grave


 Deceased In The East/Extirpated Live Emanations (Split) (2003)

01 - Exhumed: Vacant Grave
02 - Exhumed: Limb From Limb
03 - Exhumed: Forged In Fire (Formed In Flame)
04 - Aborted: Eructations of Carnal Artistry
05 - Aborted: Necro Eroticism
06 - Aborted: To Roast and Grind


 Anatomy Is Destiny (2003)

01 - Anatomy Is Destiny
02 - Waxwork
03 - The Matter of Splatter
04 - Under The Knife
05 - Consuming Impulse
06 - Grotesqueries
07 - In The Name of Gore
08 - Arclight
09 - Nativity Obscene (A Nursery Chyme)
10 - Death Walks Behind You
11 - A Song For The Dead


 Platters of Splatter (Compilation) (2004)

CD 1:
01 - Horrendous Member Dismemberment
02 - Septicimia (Festering Sphinctral Malignancy, Part II)
03 - Masochistic Copromania
04 - Necrovores: Decomposing The Inanimate
05 - Disinterred, Digested, and Debouched
06 - Bone Fucker
07 - The Naked and The Dead
08 - Necro-Transvestite
09 - Torso
10 - Dissecting The Caseated Omentum
11 - Death Metal (Possessed Cover)
12 - Goreified
13 - Emeticide
14 - Pus Grinder
15 - Torso 2000
16 - Totally Fucking Dead
17 - Dead Again
18 - Gory Melanoma
19 - Necro-Voyeur
20 - Indignities To The Dead
21 - Masterpieces
22 - Instruments of Hell
23 - Carneous Corneal Carbonization
24 - Blood and Alcohol
25 - Oozing Rectal Feast
26 - Outro: A Decrepit Denouement For The Disgustingly Deceased
27 - No Presents For Christmas (King Diamond Cover)
28 - Cannibal Apocalypse (Impetigo Cover)
29 - Exhume To Consume (Carcass Cover)

CD 2:
01 - Intro: A Purulent Prelude To Putrescent Pyosisification
02 - Excreting Innards
03 - Vagitarian
04 - Grotesque Putrefied Brains
05 - The Exquisite Flavor of Gastro-Anal Tripe
06 - Sex, Drinks and Metal (Sarcófago Cover)
07 - Radiator Bitch
08 - Excoriated, Emasculated, and Dead
09 - Quagmire of Flesh
10 - Puke of The Dead
11 - Carneous Corneal Carbonization
12 - Vagitarian
13 - Grotesque Putrified Brains
14 - Pyathrotic Discorporation
15 - Excreting Innards
16 - Festering Sphinctral Malignancy
17 - Perverse Innard Infestation
18 - Coital Mutilation
19 - Grubs
20 - Disfigured Corpse
21 - Cadaveric Splatter Platter
22 - Caseating Decomposition
23 - Embryonic Regordation
24 - Oozing Rectal Feast
25 - Culinary Pathology
26 - Scrubs
27 - Ziploc Bodybag

CD 3:
01 - Cadaveric Splatter Platter (Different Recording)
02 - The Exquisite Flavor of Gastro-Anal Tripe (Different Recording)
03 - Excreting Innards (Different Recording)
04 - The Pallor of Unliving Flesh
05 - Perverse Innard Infestation (Different Recording)
06 - Masterpieces (Totally Different Arrangement)
07 - In My Human Slaughterhouse (Demo Version)
08 - Deathmask (Demo Version)
09 - Schizo (Venom Cover)
10 - Interlude: A Cacophonous Cresendo of Cadaverous Crepitation
11 - Septicemia (Live On The Radio)
12 - Vagitarian (Live On The Radio)
13 - Necrovores: Decomposing The Inanimate (Live On The Radio)
14 - The Naked and The Dead (Live On The Radio)
15 - Enucleation (Live On The Radio)
16 - Bone Fucker (Live On The Radio)
17 - Rancid Fermenting Stench
18 - Lacerated and Molested Necro-Vagina
19 - Intercourse With A Limbless Cadaver (1993 Version)
20 - Interlude: A Disgorged Dirge of Dire Detrunctation
21 - The Pallor of Unliving Flesh
22 - Bleeding Heap of Menstrual Carnage (1993 Version)
23 - In The Throes of Ecstasy
24 - Sickening Colotomic Surgery
25 - Bleeding Heap of Menstrual Carnage (1996 Version)
26 - Necro-Fornicator (1994 Version)
27 - Material Girl (Madonna Cover)


 Garbage Daze Re-Regurgitated (2005)

01 - A Reflection (The Cure Cover)
02 - All Murder, All Guts, All Fun (Samhain Cover)
03 - Pay To Die (Master Cover)
04 - The Power Remains (Amebix Cover)
05 - Uninformed (Unseen Terror Cover)
06 - No Quarter (Led Zeppelin Cover)
07 - Trapped Uunder Ice (Metallica Cover)
08 - Necrophilia (GBH Cover)
09 - The Ghoul (Pentagram Cover)
10 - In Fear We Kill (Epidemic Cover)
11 - Twisted Face (Sadus Cover)
12 - Drop Dead (Siege Cover)


 Something Sickened This Way Comes/To Clone and To Enforce (Split) (2006)

01 - Exhumed: Something Sickened This Way Comes
02 - Exhumed: Consumer Or Consumed
03 - Exhumed: Life_ (Napalm Death Cover)
04 - Ingrowing: Biomechanized
05 - Ingrowing: Dance of Submission
06 - Ingrowing: Total Dismemberment of A Female Corpse (Regurgitate Cover)


 All Guts, No Glory (2011)

01 - All Guts, No Glory
02 - As Hammer To Anvil
03 - Your Funeral, My Feast
04 - Through Cadaver Eyes
05 - Death Knell
06 - Distorted and Twisted To Form
07 - I Rot Within
08 - Dis-Assembly Line
09 - Necrotized
10 - Funereality
11 - So Let It Be Rotten... So Let It Be Done

Bonus CD:
01 - The Way of All Flesh
02 - Unclean
03 - To Wake The Dead
04 - Cold Caress
05 - Necromaniac (2011 Version)
06 - Forged In Fire (Formed In Flames) (2011 Version)


 Necrocracy (2013)

01 - Coins Upon The Eyes
02 - The Shape of Deaths To Come
03 - Necrocracy
04 - Dysmorphic
05 - Sickened
06 - (So Passes) The Glory of Death
07 - Ravening
08 - Carrion Call
09 - The Rotting
10 - The Beginning After The End (Bonus Track)
11 - Not Yet Dead Enough (Bonus Track)
12 - E Pluribus, Mortem (Bonus Track)
13 - Chewed Up, Spit Out (Bonus Track)
14 - Go For The Throat (Bonus Track)


 Gore Metal: A Necrospective 1998-2015 (2015)

CD 1:
01 - Necromaniac
02 - Open The Abscess
03 - Postmortem Procedures
04 - Limb From Limb
05 - Enucleation
06 - Casketkrusher
07 - Deathmask
08 - In My Human Slaughterhouse
09 - Sepulchral Slaughter
10 - Vagitarian 2
11 - Blazing Corpse
12 - Deadest of The Dead


CD 2 - Original 1998 Version:
01 - Necromaniac
02 - Open The Abcess
03 - Post-Mortem Procedures
04 - Limb From Limb
05 - Enucleation
06 - Casketkrusher
07 - Deathmask
08 - In My Human Slaughterhouse
09 - Sepulchural Slaughter
10 - Vagitarian II
11 - Blazing Corpse
12 - Deadest of The Dead
13 - Sodomy & Lust (Sodom Cover)


Nenhum comentário:

Postar um comentário