Social Icons

terça-feira, 19 de maio de 2015

Semblant - Discografia

Não há brecha para dúvidas: o Metal é imenso. É global. Sendo assim, existe sempre aquela galera que se reúne e faz um som em qualquer canto do planeta. Muitas vezes o modo como tocam o estilo é subconscientemente influenciado pela cultura do país de onde a banda vem. O Power Metal das bandas alemãs é um pouco diferente daquele executado pelas bandas finlandesas, por exemplo. Outras vezes, mesmo que o som não tenha uma definição cultural, alguns países são peritos em exportar bandas de gêneros específicos. Podemos dizer que é assim com o Black Metal na Noruega ou o Melodic Death Metal na Suécia. A fama de alguns países com alguns gêneros nos leva a, caso busquemos aprofundamento em algo, buscar mais bandas naquele país mesmo. Contudo, isso pode nos fazer esquecer que bandas do mundo inteiro são capazes de fazer qualquer coisa.
A tendência ao buscar bandas obscuras na linha do Symphonic Doom/Gothic Metal pode ser imediatamente "vasculhar a Europa", sobretudo a Noruega devido a bandas como Tristania e Sirenia. Mas por que ir tão longe se temos um representante de peso que percorre caminho parecido aqui mesmo, dentro de casa? Em Curitiba, capital do Paraná, uma banda com extrema perspicácia é capaz de trazer a profundeza exata de uma sonoridade pesada, noturna e vampírica. É o Semblant.
O início dessa consistente banda aconteceu em 2006 por iniciativa do vocalista Sérgio Mazul. No princípio houve dificuldade para solidificar a formação, o que retardou bastante o lançamento de qualquer trabalho. Mas tão logo as coisas se estabilizaram principalmente com a vocalista Katia Shakath para fazer dueto com Sérgio, as coisas começaram a engrenar.
Em 2008 saiu a primeira demo, intitulada "Behold The Real Semblant", que apresenta três canções que certamente são algumas das melhores da história do conjunto. A qualidade de gravação é ótima, permitindo a plena degustação do som já nos estágios iniciais. No ano seguinte saiu a single "Sleepless", trazendo uma faixa inédita (a faixa-título), acrescida pelas canções da demo, porém, em lindas versões acústicas.
Após estabilizar a formação com Everson Choma na guitarra, Leonardo Rivabem no baixo, Phell Voltollini na bateria, J. Augusto nos teclados, além de, claro, Sérgio Mazul e Katia Shakath nos vocais, o quinteto curitibano conquistou um contrato com a Free Mind Records, que lançou o maravilhoso álbum de estreia "Last Night of Mortality". Trata-se de um estupendo registro onde a banda une Symphonic, Doom e Gothic Metal em uma sonoridade reverberada, como dentro de um calabouço. Essa atmosfera subterrânea é sustentada também por teclados que não apenas criam o background mas também participam efetivamente dos arranjos da estrutura musical, em consonância com excelentes guitarras e bateria precisa. A dupla de vocalistas conclui a transmissão da vampírica mensagem por meio de uma convincente alternância entre os vocais limpos e guturais de Sérgio Mazul com os altíssimos vocais de Katia Shakath. O conjunto certamente confeccionou um dos melhores álbuns do gênero.
Assim que o disco saiu, o Semblant voltou a sofrer com problemas na formação, culminando nas saídas de Katia Shakath, Everson Choma e Phell Voltollini. As lacunas foram rapidamente preenchidas por Mizuho Lin como vocalista, Juliano Ribeiro e Sol Perez como dupla de guitarristas e Rhandu Lopez na bateria, fazendo da banda agora um sexteto.
Já de cara nova, os curitibanos lançam em novembro de 2011, de forma independente, o EP "Behind The Mask", um excelente disco que demonstra uma estética do som um pouco alterada. Vemos uma banda de pegada mais seca, de atmosfera menos climatizada e mais pesada. Era o prelúdio do trabalho a ser desenvolvido no próximo álbum.
Na sequência, a saída do baixista Leonardo Rivabem em 2012 causa nova turbulência no line-up, travando o progresso da banda. Mesmo sem baixista fixo, ainda entraram em estúdio para a gravação da single "Throw Back To Hell", que saiu em meados daquele ano, estrelando apenas a faixa-título. Logo depois foi a vez do baterista Rhandu Lopez deixar o grupo.
Devido a instabilidade, levou mais dois longos anos até finalmente podermos apreciar um novo álbum de estúdio. No entanto, aliados a João Victor no baixo e Thor na bateria, sai em 2014 - quatro anos após o debut - o álbum "Lunar Manifesto", via Shinigami Records. Desenvolvendo aquilo inicialmente demonstrado no EP "Behind The Mask", aqui podemos testemunhar uma banda que mistura diferentes influências, desembocando numa musicalidade mais bruta e seca. A instrumentação se mostra mais técnica, com um trabalho de bateria excelente, pesadas distorções de guitarra que ganham os holofotes com técnicos e velozes solos, além de teclados densos e épicos. Os vocais também roubam a cena; Mizuho Lin é uma talentosa vocalista de voz mais encorpada e tom mais baixo do que o da Katia Shakath, embora também ocasionalmente eleve o tom. Seu lúcido controle vocal contrasta com os de Sérgio Mazul, que agora tem seus vocais limpos mais acionados, sem que isso signifique necessariamente redução da participação dos guturais fechados e rasgados. A soma dos fatores resultou em um álbum de Symphonic Metal com vários elementos como Death Metal, Thrash Metal, Gothic Metal e Melodic Death Metal inseridos em diferentes trechos. A estrutura das linhas vocais em algumas passagens e refrões tendem a algo mais comercial. É harmônica, de fácil assimilação, não significando ser um ponto negativo, entretanto. Álbum realmente excelente.
O Semblant é mais uma prova de peso que o Metal não está regredindo ou morrendo. Muito pelo contrário. É mais um talentoso conjunto de uma inspirada geração de grandes bandas nacionais que buscam seu espaço com paixão e muita competência. Além de toda a qualidade, esses curitibanos saciam aquela vontade de ouvir algo na linha dos projetos de Morten Veland, The Sins of Thy Beloved e bandas similares. Sonoridade apaixonante! Mesmo se você não é por dentro do gênero, há muita chance de aprovar o que é feito pelos caras. Metal de primeira linha!


 Behold The Real Semblant (Demo) (2008)

01 - Black Babylon
02 - Forever Failure
03 - Legacy of Blood


 Sleepless (Single) (2009)

01 - Sleepless (Album Version)
02 - Forever Failure (Acoustic Version)
03 - Black Babylon (Scoustic Version)
04 - Legacy of Blood (Acoustic Version)


 Last Night of Mortality (2010)

01 - Last Night of Mortality
02 - Nightmare World
03 - Black Babylon
04 - Evilbringer
05 - Forever Failure
06 - Sleepless
07 - Legacy of Blood
08 - The Neptune Effect
09 - Deep In Dark Waters
10 - End of Dusk (Legacy of Blood Pt. II)


 Behind The Mask (EP) (2011)

01 - Behind The Mask
02 - Beautiful Carnage
03 - The Undead
04 - 11:11 - The Door Is Open


 Lunar Manifesto (2014)

01 - Incinerate
02 - Dark of The Day
03 - What Lies Ahead
04 - The Shrine
05 - Bursting Open
06 - Mists Over The Future
07 - The Hand That Bleeds
08 - Selfish Liar
09 - Ode To Rejection
10 - The Blind Eye
11 - Scarlet Heritage (Legacy of Blood Pt. III)


4 comentários:

  1. Q banda maravilhosa encontrei por acaso no Youtube e foi paixão a primeira vista e quando soube que era banda BR fiquei orgulhoso como temos bandas de altíssimo nível nascendo e deixando sua marca no cenário brasileiro. Estão de parabéns mandam super bem.
    E obrigado warriors of The metal por disponibilizar essa discografia ( lembrando que sempre que posso adquiro o material original para apoiar as bandas ).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, posso dizer que a coisa que tenho mais gosto relativamente ao povo brasileiro é mesmo a parafernália toda de Metal bom que se encontra! É só bandas de metal fodonas em cada esquina!! Nem me lembro bem já como encontrei esta banda, acho que foi através dum vídeo dos Moonspell em que tinham a Mizuho Lin como convidada, e pensei "Hm quem será aquela jeitosona toda gira de cabelo azul ali no palco?" e fui pesquisar e uau: Semblant! E já tenho planos de adquirir a dicografia toda! Que o brasil produza mais bandas deste calibre sempre!!

      Excluir