Social Icons

sexta-feira, 22 de maio de 2015

Lagerstein - Discografia

Icem as velas, levantem a âncora, estoquem mais rum que o suficiente e não deixem que a chuva molhe a pólvora, piratas! À bordo do S.S. Plunderberg, através dos céus e em cada taberna que se encontra no caminho, os australianos do Lagerstein fazem da arte do Folk Metal uma grande festa pirata de música e bebedeira! Com uma sonoridade animada, tematizada e divertidas letras, os piratas bêbados garantem por meio de suas próprias histórias uma experiência musical diferenciada e teatral, capaz de te sugar para um universo totalmente distinto onde o rum é tudo o que importa (e, é claro, vingar-se daqueles que o roubam de você).
A tripulação do navio voador S.S. Plunderberg se reuniu pela primeira vez em 2010 na cidade de Brisbane, em Queensland, simplesmente por decidirem que não existem bandas bêbadas suficientes por aí, então algo precisava ser feito. Com raros motins na tripulação, a rotatividade de marujos é pouca ao longo do tempo em atividade. Os baderneiros inicialmente eram compreendidos em Definition of A Viking (Chris) no vocal, The Majestic Beast (Nathan Riedel) e Neil Rummy Rackers na dupla de guitarras, The Immobilizer (Luke Philp) no contra-baixo, The Ax Man (Timothy Edwards) na bateria e Mother Junkst (Joel Orford) na keytar (ou controlador, como é conhecido no Brasil).
Os primeiros desertores foram conhecidos em 2011. O vocalista Definition of A Viking e o baterista The Ax Man provocaram um motim que resultou na imediata expulsão da tripulação. Suas tarefas foram preenchidas por Ultralord (Dale J. Williams) e Oldmate Dazzle (Darren Riedel), respectivamente, e então shows passaram a acontecer em Brisbane e cidades próximas. A receptividade dos curiosos foi grande, muitos até se vestiam de acordo para ir às apresentações. Com a palavra sobre a competência da equipe se espalhando e a primeira base de fãs surgindo, pensamentos sobre o lançamento do primeiro álbum amadureceram.
Por isso entraram no estúdio, gravaram, e lançaram em setembro de 2012, de forma independente, o fantástico e divertido álbum "Drink 'Til We Die". A sonoridade dos piratas é sólida e convincente: à medida que nos divertimos com letras - por vezes de baixo calão - sobre suas próprias lendas à bordo de um navio voador, experimentamos uma sonoridade folclórica guiada por pesadas distorções de guitarra, violões e teclados com efeitos de acordeão. O trabalho nas linhas vocais é fantástico pois, além da notável perícia de Ultralord na alternância entre vocais limpos com vibratos e vocais piratas carregados de drive, ele canta interpretando as letras, de forma bem teatral. Detalhe determinante é que frequentemente os coros dos marujos são acionados, sustentando o clima de determinação e festança. Tornando tudo ainda mais divertido, há trechos cantarolados com descontraídas palavras inexistentes, como em "Dreaded Skies", onde o refrão diz "ya-da-dadada-dah-da-da, we're pirates of the skies!". Sons ambiente também são explorados, como cantorias de piratas bêbados se divertindo, copos, navio rangendo à maré, o som do mar... É um trabalho realmente muito bem feito e com qualidade profissional de gravação. Na primeira audição pode ser que não capte a essência, mas com duas ou três certamente ela vai melhorar bastante!
Em março de 2013 os piratas subiram novamente à bordo do S.S. Plunderberg e cruzaram os céus até a Europa pela primeira vez. Rondaram então o Velho Continente através da França, Suíça, Itália, Espanha, Hungria e Eslovênia com os irmãos piratas do Alestorm e os impiedosos imperadores romanos do Ex Deo, sempre realizando shows lotados.
Ao retornar para a Austrália, conheceram mais um desertor dentro da tripulação. Entristeceu muito o fato de ser o vocalista Ultralord, que buscava novos caminhos na vida. Após vasculhar várias tabernas à procura de um substituto, acabaram encontrando dois, o que aumentou o poder de fogo dos bêbados. O primeiro deles foi o vocalista Captain Gregaaarrr, subsequenciado pelo tecladista Jacob, The Fiercest Pirate In All The Caribbean. Com isso, Mother Junkst passou a se concentrar não apenas na keytar, mas também no violino. De volta com força máxima, carregaram os canhões com pólvora e se prepararam para mais assaltos.
O ano de 2014 foi marcado por shows, muitos deles abrindo para os compadres beberrões finlandeses do Korpiklaani e Finntroll na Austrália, além da banda compatriota Birds of Tokyo. Uma turnê de 12 dias pelo país em conjunto com os guerreiros escoceses do Gloryhammer também aconteceu.
Atualmente a tripulação está trabalhando no segundo álbum de estúdio, que se chamará "All For Rum 'n' Rum For All" e tem previsão de lançamento ainda para 2015. A expectativa é de mais um disco de muita qualidade, principalmente levando em conta que pode acontecer o amadurecimento natural da banda, além de estarem convencidos de que Captain Gregaaarrr é perfeito para a posição. Por enquanto, não há sinais de motim! 
Sintam-se parte da tripulação, voem à bordo do S.S. Plunderberg e fiquem bêbados ao maravilhoso Folk Metal artístico do Lagerstein, que é promissor e tem grandes chances de vir a se tornar um dos gigantes entre aqueles que velejam sob velas negras! Ahoy!


 Drink 'Til We Die (2012)

01 - The Rum Thieves
02 - Dreaded Skies
03 - Harpoon The Sun
04 - Nightmare Ship
05 - Pirate Music Piracy
06 - Plunderberg
07 - Slocken The Rum
08 - Jungle Juice Journey
09 - Beer Bong Song
10 - Drink 'Til We Die
11 - Beer (Reel Big Fish Cover)
12 - I'm On A Boat (The Lonely Island Cover)


Nenhum comentário:

Postar um comentário