Social Icons

quinta-feira, 7 de maio de 2015

Hellish War - Discografia

Pela glória, pela honra, pelo coração guerreiro... pelo Metal! Existem bandas que conseguem, com eficácia, resguardar o lado guerreiro e batalhador do Heavy Metal. Na cidade de Campinas, em São Paulo, existe um grupo que integra o heroico plantel de bandas que vestem a armadura do Metal e brandem suas espadas para nos agraciar com sons que fazem nos sentirmos guerreiros.
Com seu Speed Heavy Metal tradicional, o Hellish War consegue produzir um som que nos faz voltar no tempo, nas eras dos primeiros estágios do Power Metal, quando o estilo já ia se caracterizando mas ainda sem se desgarrar completamente do Heavy Metal tradicional. Sonoridade veloz, solos desesperados e vocais de drives em tons altos e agudos são os ingredientes que fazem o Hellish War ser bem sucedido em obter uma sonoridade épica sem precisar do auxilio de teclados ou qualquer fator extra.
As atividades começaram em 1995, quando o guitarrista Vulcano fechou o line-up com os amigos Marcos (vocal e baixo) e Jayr Costa (bateria), afim de se limitar a um power trio. Os três imediatamente começaram a se apresentar nos palcos enquanto compunham o material que seria lançado na forma de uma demo em 1996, intitulada "The Sign", que conquistou ótima repercussão e boas críticas da mídia.
Mudanças ocorreram em 1997 devido à saída de Marcos. Para substituí-lo, Vulcano decidiu tornar o Hellish War uma banda maior, composta por mais membros, para um som mais completo. Foi então que recrutou o vocalista Roger Hammer, o guitarrista Daniel Job e o baixista Gabriel Gostautas. Com mais integrantes, as apresentações ao vivo ficaram mais dinâmicas e interessantes, além dos horizontes composicionais ampliados. Daí, nos tempos seguintes, foram ganhando fama, costruindo seu nome na cena paulista no interior e na capital. Consequentemente, chamaram a atenção da Megahard Records, que ofereceu o primeiro contrato aos campineiros.
Uma vez com um contrato em mãos, era hora de focar totalmente no álbum de estreia. "Defenders of Metal" saiu em 2001 com a glória de um Heavy Metal puro, fugaz e empolgante, cheio de refrões marcantes, mas também canções longas - característica presente também nos discos psoteriores. As positivas críticas foram mais longe até do que a própria banda imaginava, talvez, pois cruzou os limites geográficos do país e cruzou oceanos, chegando até mesmo a Portugal, Alemanha e Japão. Uma turnê de divulgação sucedeu ao lançamento, transcorrendo através de mais de 50 cidades do sul e sudeste brasileiros. Alguns shows foram de abertura para outras grandes bandas como U.D.O. e Saxon. Ao fim da turnê, novas mudanças irromperam na formação. Saíram o baixista Gabriel Gostautas e o baterista Jayr Costa e chegaram Júnior e Daniel Person, respectivamente.
Ao longo dos anos seguintes, o Hellish War começou a ter problemas com a gravadora, dificultando o lançamento do segundo álbum. A gota d'água os levou a abandonarem o selo e somente em 2008 lançarem o fodaço álbum "Heroes of Tomorrow" de forma independente. Aqui a banda está mais afiada, com solos mais alucinantes e cheios de recursos, riffs de guitarra mais pesados e rápidos, refrões mais heroicos pela maior presença dos backing vocals, mas também com espaço para momentos mais cadenciados.
Uma nova turnê acompanhou o lançamento, agora pisando pela primeira vez em solo europeu com uma turnê em si, ao invés de shows paralelos. Países como Bélgica, Holanda, Suíça e Alemanha foram alguns a receberem o conjunto. Inclusive, uma das apresentações nesse último desembocou no lançamento do álbum ao vivo "Live In Germany" em 2010 através da Hellion Records, gravado durante o Razorblade Festival. Quando voltaram ao Brasil, abriram shows para Tim "Ripper" Owens e Grave Digger.
O ano de 2011 foi marcado pela saída do vocalista Roger Hammer. Perda importante para o conjunto, uma vez que o vocalista é a alma de uma banda. Os fãs tinham todos os motivos para se preocupar, porém, Vulcano convocou em 2012 um vocalista que foi capaz de manter as linhas vocais da banda nos trilhos e preservar a identidade musical: Bill Martins.
De cara nova na linha de frente, saiu em 2013, pela Voice Music, o pegado álbum "Keep It Hellish". O trabalho é mais turbulento, com aquela musicalidade bem preenchida que dá a impressão de muita coisa acontecendo ao mesmo tempo. Além disso, está mais moderno, provocando uma leve perda daquela atmosfera mais tradicional que os dois álbuns antecessores possuem, apesar de não terem modificado a estrutura das canções. Vale mencionar que Bill Martins é dono de um vocal que também caberia perfeitamente numa banda de Speed Thrash Metal, vocal que se entrega, tem garra, volume e presença, além dos excelentes drives.
Refrões marcantes como hinos, backing vocals que também atuam em determinadas músicas com o apoio necessário para um grito de guerra de guerreiros, riffs e solos velozes como golpes de espadas em uma batalha épica; atributos que caracterizam o Hellish War, esse competente representante brasileiro de um som que vai na linha de bandas como Metalium, Manowar, Wizard e Helloween antigo, capaz de agradar a gregos e troianos - fãs de Heavy Metal tradicional e fãs de Power Metal. É a aliança perfeita entre esses gênero tão compatíveis.


 Defender of Metal (2001)

01 - Into The Battle
02 - Hellish War
03 - We Are Living For The Metal
04 - Defender of Metal
05 - The Sign
06 - Gladiator
07 - Into The Valhalla
08 - Sacred Sword
09 - Memories of A Metal
10 - Feeling of Warriors
11 - The Law of The Blade


 Heroes of Tomorrow (2008)

01 - Straight From Hell
02 - Die For Glory
03 - Metal Forever
04 - Son of The King
05 - Reasons
06 - My Freedom
07 - Destroyer
08 - Awaken
09 - Beyond
10 - Heroes of Tomorrow


 Live In Germany (Live) (2010)

01 - Beyond
02 - Hellish War
03 - Metal Forever
04 - Defender of Metal
05 - The Sign
06 - Son of The King
07 - Destroyer
08 - We Are Living For The Metal


 Keep It Hellish (2013)

01 - Keep It Hellish
02 - The Challenge
03 - Reflects On The Blade
04 - Fire and Killing
05 - Master of Wreckage
06 - Battle At Sea
07 - Phantom Ship
08 - Scars
09 - Darkness Ride
10 - The Quest


Um comentário: