Social Icons

sábado, 11 de abril de 2015

Sanctuary - Discografia

O mundo musical tão injusto quanto o meio profissional, não é? Não importa o quão bom você seja, se não tiver o contato certo, alavancar sua carreira fica bastante complicado. Existem tantas talentosas bandas espalhadas pelo mundo inteiro escondidas sob a negra camada do desconhecimento que não vêm à luz, muitas vezes, por falta de que a pessoa certa os descubra. Em contrapartida, tem outras que têm esse contato primordial, e, aí sim, tudo começa a dar certo.
Não há dúvidas de que o Sanctuary é um nome conhecido entre os fãs do sensacional Nevermore. Afinal, pode-se dizer que a primeira é o embrião da segunda. A qualidade de ambas as bandas é indiscutível, mas talvez o Nevermore nunca viesse a existir se o Sanctuary não tivesse crescido graças ao impulso de alguém influente que atende pelo nome de Dave Mustaine (Megadeth).
Foi em Seattle, no estado de Washington, Estados Unidos, que o quinteto Warrel Dane (vocal), Lenny Rutledge (guitarra), Sean Blosl (guitarra), Jim Sheppard (baixo) e Dave Budbill (bateria) deu início a esse fodaço nome do Heavy Metal, no ano de 1985.
Não demorou para a primeira demonstração do trabalho dos caras surgir sob a forma de uma demo em 1986, com o simples nome de "1986 Demo". Foi aí que o vocalista e guitarrista Dave Mustaine os descobriu e, por ter gostado tanto do som, decidiu ajudá-los. Mustaine conseguiu fazer com que a banda assinasse o primeiro contrato profissional, com a CBS/Epic Records, viabilizando o lançamento do vindouro debut em mais ampla escala.
Foi então que a banda entrou em estúdio e gravou o maravilhoso álbum "Refuge Denied", lançado em novembro de 1987 e produzido por Dave Mustaine. A juventude dos rapazes é muito bem refletida na musicalidade: é empolgante, pegada, as linhas de composição de instrumental e voz são criativas e imprevisíveis e os solos são lindos. Warrel Dane ainda tinha uma voz vívida que une agudos e drives, química perfeita para o Heavy Metal à moda antiga praticado aqui. O conjunto da obra lembra muito ao Judas Priest, em positiva comparação. Dave Mustaine então os levou para a estrada junto do Warlock para abrir os shows do Megadeth.
Assim que a turnê terminou, o Sanctuary voltou ao estúdio para a gravação de mais um álbum. Agora produzido por Howard Benson (que mais tarde também produziria para Motörhead, Sepultura e Apocalyptica), é a vez da chegada de "Into The Mirror Black" em 1989 (e 1990 nos Estados Unidos), mais um trabalho fantástico nos mesmos moldes do antecessor, porém, com mais riqueza em solos, que são simplesmente maravilhosos, além de maior equilíbrio na musicalidade, não sendo inteiramente pegado e pesado, mas também dando espaço para certa cadência e harmonia.
Mais uma turnê de divulgação aconteceu após o lançamento, agora tocando lado a lado com bandas como Death Angel, Forbidden e Fates Warning.
Em 1990, a Epic Records lançou o EP "Into The Mirror Live/Black Reflections", contendo registros ao vivo da turnê do disco, mas com números bem limitados.
Já próximo do fim da turnê, em 1991, o guitarrista Sean Blosl provocou a primeira baixa da formação. Foi aí que um jovem e talentoso guitarrista chamado Jeff Loomis ouviu falar dessa baixa e enviou uma fita demo ao Sanctuary, na esperança de se tornar o substituto. Loomis foi contratado, mas não como membro oficial, e sim como guitarrista de turnê, ao invés disso, até porque a banda não tinha intenções de fazer com que ele ficasse muito tempo, provavelmente pela mesma falta de experiência que o impediu de se juntar ao Megadeth em 1987 após a demissão de Chris Poland. É uma pena que apenas dois meses após a chegada de Loomis, com o fim da turnê, o Sanctuary tenha encerrado suas atividades.
O motivo do fim de tudo havia sido uma briga com a Epic Records, que exigia que a banda passasse a tocar Grunge para se adequar ao mercado musical dominante dos anos 90, mas os caras não concordaram com a mudança de direcionamento.
Com o fim do Sanctuary, mas com a vontade de seguir fazendo música intacta, o vocalista Warrel Dane, o baixista Jim Sheppard e o novo guitarrista Jeff Loomis formaram o sensacional Nevermore em 1992, banda pela qual adquiririam grande respeito e amadurecimento. Já o guitarrista Lenny Rutledge se tornou produtor musical e construiu seu próprio estúdio.
Muitos anos se passaram desde então. Com o Nevermore, sete álbuns de estúdio, um ao vivo, um EP e uma compilação foram lançados ao longo de dezoito anos de uma grandiosa carreira. Porém, esta também acabou começando a desandar, provocando um hiato em 2010.
Essa brecha acabou sendo aproveitada em forma de reunião entre quatro membros originais do Sanctuary: o vocalista Warrel Dane, o guitarrista Lenny Rutledge, o baixista Jim Sheppard e o baterista Dave Budbill. A intenção era realizar alguns shows de reunião, apenas para tocar as canções dos dois primeiros discos. Jeff Loomis também integrou a formação como segundo guitarrista, mas novamente, de forma extra-oficial. Os shows foram tão bem-sucedidos, com tamanha aceitação, que os caras se sentiram motivados a reativar definitivamente o Sanctuary naquele ano.
Ainda em 2010, o selo IronBird Records aproveitou a deixa e compilou os dois primeiros álbuns em um único lançamento duplo, para já ir esquentando os ouvidos dos headbangers com o que a banda fazia antes do Nevermore.
Em 2011, infelizmente Jeff Loomis decidiu deixar o Sanctuary e o Nevermore ao mesmo tempo. A banda chegou a contar com o substituto Shannon Sharp, mas não ficou muito tempo. A seguir veio Brad Hull, um excelente guitarrista que já havia sido membro de turnê da banda em 1991. Dessa vez voltou como membro oficial.
No início de 2013 um contrato com a Century Media foi assinado. Enquanto isso, shows eram apresentados e Lenny vinha tomando a liberdade de escrever trechos de músicas que estavam empolgando de verdade os demais membros, fazendo-os considerar com cada vez mais seriedade a gravação de um novo álbum.
A concretização dessa ideia foi finalmente lançada com muito clamor em outubro de 2014. O álbum "The Year The Sun Died" não apenas traz uma capa linda, mas também uma sonoridade de respeito, pesada, com produção de alta qualidade e moderna. A musicalidade é intencionalmente bem diferente dos dois primeiros álbuns. Agora apresentam uma fodíssima linha de Groove Metal com alguns pitacos de Progressive Metal, com toda certeza resquícios involuntários do Nevermore. O instrumental é profundo e entorpecente ao mesmo tempo em que é pesado. Bem viajado. Os solos são lindos, combinando velocidade e feelings que são aguçados pelos efeitos do reverb. Warrel Dane canta como cantava no Nevermore, com a voz mais grave, embora em tom alto. Aqueles antigos agudos são muito pouco explorados. Aparecem apenas em alguns backing vocals. Em suma, um disco diferente, mais parecido com a banda anterior, porém, ao nível que o Sanctuary merece. Como brinde tem até mesmo uma faixa bônus "Waiting For The Sun", sensacional cover do The Doors, mas totalmente repaginada para o estilo da banda. Puta álbum! Merece ser ouvido.
Outra baixa no line-up acontece em 2015 devido a saída do guitarrista Brad Hull. Ele foi substituído por Nick Cordle (ex-Arch Enemy), mas apenas como guitarrista ao vivo. Portanto, por enquanto, o Sanctuary segue oficialmente como um quarteto.
A qualidade do Sanctuary é indiscutível. É banda para viciar. Certamente muitos os conhecem e sabem do que são capazes. Enquanto o Nevermore encerrou definitivamente suas atividades em 2015 por meio de uma nota emitida pelo Sanctuary, esta última segue mais viva que nunca, e a expectativa é de lançamento de mais álbuns. Até agora não falharam, logo, um vindouro disco pode novamente ser fodaço.


 1986 Demo (Demo) (1986)

01 - I Am Insane
02 - Incubus


 Refuge Denied (1987)

01 - Battle Angels
02 - Termination Force
03 - Die For My Sins
04 - Soldiers of Steel
05 - Sanctuary
06 - White Rabit
07 - Ascension To Destiny
08 - The Third War
09 - Veil of Disguise


 Into The Mirror Black (1989)

01 - Future Tense
02 - Taste Revenge
03 - Long Since Dark
04 - Epitaph
05 - Eden Lies Obscured
06 - The Mirror Black
07 - Seasons of Destruction
08 - One More Murder
09 - Communion


 Into The Mirror Live/Black Reflections (EP) (1990)

01 - Future Tense
02 - Long Since Dark (Live)
03 - Battle Angels (Live)
04 - One More Murder (Live)
05 - White Rabbit (Jefferson Airplane Cover) (Live)
06 - Taste Revenge (Live)


 The Year The Sun Died (2014)

01 - Arise and Purify
02 - Let The Serpent Follow Me
03 - Exitium (Anthem of The Living)
04 - Question Existence Fading
05 - I Am Low
06 - Frozen
07 - One Final Day (Sworn To Believe)
08 - The World Is Wired
09 - The Dying Age
10 - Ad Vitam Aeternam
11 - The Year The Sun Died
12 - Waiting For The Sun (The Doors Cover) (Bonus Track)


3 comentários:

  1. Excelente resenha! Parabéns! Estas bandas sem duvida fizeram parte da minha vida. Acompanho Sanctuary desde o início.

    ResponderExcluir
  2. Primeiro álbum é foda! O segundo eu não gostei. Depois vou baixar esse último... Obrigado.

    ResponderExcluir