Social Icons

domingo, 2 de novembro de 2014

Kattah - Discografia

Música é, acima de tudo, um forte meio de expressão, onde as bandas e artistas transmitem de forma artística algum tipo de mensagem, seja ela qual for. E, é claro, com o Metal não é diferente. E se tem uma coisa que eu acho super interessante, é quando se trata de cultura de algum povo. Nos tempos atuais, bandas que tocam música pesada aliada a elementos de outros estilos musicais e culturais estão se tornando cada vez mais comuns, e isso contribui de forma positiva para a riqueza e diversidade metálica.
Surgiu no ano de 2006 em Curitiba, no Paraná, uma banda que também cultiva interesse em cultura, e tem intenção de trazer essa referência à sua musicalidade; mais especificamente a rica e lindíssima cultura árabe. Essa banda atende pelo nome de Kattah, e faz uso da melódica vertente do Power Metal para transmitir sua mensagem. Fundado pelo trio de amigos Roni Sauaf (vocal), Victor Brochard (guitarra) e Cristian Alex (bateria), o nome Kattah retrata de forma instintiva o almejo de mistura entre Metal e elementos árabes, significando, de certa forma, a personificação do modo de ser das pessoas, a realidade da ilusão. Mas não apenas a cultura árabe é levada em conta, mas também a brasileira, que aparece também a nível elemental aqui e ali no instrumental das canções no decorrer dos discos. A formação ficou completa com a chegada do guitarrista Pablo Parra e do baixista Jean Buzzello.
A proposta musical, bem como suas performances, acabaram por chamar a atenção das pessoas e também do músico e produtor Fernando Quesada (Noturnall, Shaman), que trabalhou com os curitibanos e produziu seu álbum de estreia, "Eyes of Sand", lançado em 2010 pela Universal Music.
Se você espera uma banda totalmente climatizada nas Arábias, vai se enganar. Os caras optam mais por um deslocado Power Metal melódico, com alguns toques de quebradas Progressivas, e base levada ao som dos teclados do membro de sessão Fabrizio di Sarno (Karma, ex-Symbols), deixando os elementos árabes mais à parte, para momentos específicos. A influência de bandas como Angra e Helloween época Kiske é latente, principalmente no vocal de Roni Sauaf, que oscila entre puxadas de Michael Kiske e Andre Matos. Portanto, já dá para saber que um Power Metal melódico é tocado, com vocais em alto tom e agudos. Os refrões geralmente são cantados de forma cadenciada, arrastada, o que contribui para que você se deixe levar pelo balanço e até os decore. Como já dito, os elementos árabes aparecem mais em momentos separados das músicas, nos breaks, ou então em faixas mais voltadas a isso como "Maracatu".
Terem despertado a atenção de Fernando Quesada certamente os deixou bem acompanhados, pois os membros de sessão para contribuições adicionais são expressivos. Além do já mencionado Fabrizio di Sarno, aparecem também Thiago Bianchi nos vocais adicionais, Léo Mancini nas guitarras adicionais, Fernando Quesada no baixo e Ricardo Confessori na bateria.
Como consequência, a banda só veio a ganhar com isso, e pela primeira vez uma banda brasileira abriu os shows do Angra durante uma turnê europeia, em 2011, auxiliando bastante na exposição do Kattah e gerando positivas críticas internacionais.
Em 2012, a formação passou por reformulações com a saída do guitarrista Pablo Parra e do baixista Jean Buzzello. Apenas Jean teve vaga reocupada por Cícero Chagas. A essa altura, os curitibanos já começavam a pensar no álbum de estúdio subsequente.
Lançado em 2014 via Bakerteam Records e produzido pelo renomado Roy Z, "Lapis Lazuli" é o segundo álbum de estúdio do conjunto e apresenta sérios avanços na maturidade da musicalidade e na forma como as músicas te envolvem. Novamente, não é encontrada uma integral união entre Metal e elementos árabes, ainda assim, os riffs estão mais fortes e belos, e os refrões ainda mais profundos e envolventes, passando sentimentos e entrega, além de estarem ainda mais grudentos. O interessante é poder, de uma forma mais clara, perceber a influência desértica nos próprios riffs de guitarra, como em "The Hidden Voice". Já a veia atmosférica árabe, com percussão característica e tudo mais, de novo, fica um pouco mais à parte, e a brasileira também aparece, como na faixa-título, através de percussão típica, cuíca, e até trechos cantados em português. Permanecem notáveis as influências originais da banda, mas instrumentalmente, ganharam um pouco mais de identidade. Já vocalmente falando, não, e a situação se agrava ainda mais, pois Roni Sauaf passa a fazer ocasionais usos de vocais mais graves. Se suas puxadas agudas no primeiro álbum se pareciam bastante com Michael Kiske, dessa vez, nas calmas passagens mais graves, é evidente a alusão a Andi Deris. É possível testemunhar através de faixas como "Vetus Espiritus", "The Hidden Voice" e a própria faixa-título. O álbum, entretanto, é excelente!
Esses curitibanos são de fato excelentes no que fazem, e naturalmente estão ficando cada vez melhores. "Lapis Lazuli" é prova disso. Quem gosta de Power Metal bem tocado, com banda mandando ver tanto em músicas de mais energia quanto nas mais baladas, certamente vai se apegar bastante. No entanto, é uma pena que ainda não tenham desenvolvido uma identidade própria, instrumentalmente e principalmente vocalmente falando. Digo, para mim nunca é um problema ter influências e deixar isso a entender às vezes... é inevitável muitas vezes. No entanto, parecer-se um pouco demais atrapalha, pelo menos a mim. Mas o Kattah está vivo, e certamente ainda lançará muitos álbuns no futuro. De repente veremos uma banda com mais cara de Kattah e musicalidade que une de forma mais uníssona os elementos propostos em algum momento no futuro, sendo, portanto, apenas questão de tempo.


 Eyes of Sand (2010)

01 - Eyes of Sand
02 - This Fire
03 - Illusion of Dreams
04 - Deep Feelings
05 - I Believe
06 - Groupies
07 - Lebanese Aura
08 - Maracatu
09 - Lebanese Aura (Edit Version) (Bonus Track)


 Lapis Lazuli (2014)

01 - Behind The Clay
02 - Inside My Head
03 - Apocalypse
04 - Alpha Centaury
05 - Vetus Espiritus
06 - Rebirth of Pharaohs
07 - The Hidden Voice
08 - Lapis Lazuli
09 - A Capoeira
10 - Land of God
11 - You Will Never Be Dead
12 - Untitled


Nenhum comentário:

Postar um comentário