Social Icons

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Havok - Discografia

No ano de 2004 surgiu em Denver, no Colorado (Estados Unidos), uma monstruosa banda de Thrash Metal que merecidamente captou bastante atenção dos ouvidos apreciadores do estilo. Uma banda que toma gigantes da vertente como referência, como Megadeth, Metallica, e principalmente Slayer, desenvolvendo um som de muita potência e qualidade técnica em todos os âmbitos, refinados por uma produção limpa e pesada. Conhecido por grande parte dos thrashers e também um dos maiores representantes do que é chamado de "New Wave of Thrash Metal", tal excelência se refere ao Havok.
A iniciativa de dar início a tudo partiu do vocalista/guitarrista David Sanchez ao chamar seu colega de classe e baterista Haakon Sjoegren para formar uma banda. Para completar a formação, espalharam panfletos pela região, levando ao contato com o guitarrista solo Shawn Chavez, que prontamente ingressou. A formação então fechou com a entrada do baixista Marcus Corich, possibilitando que o foco sobre as composições musicais fossem intensificados. Ainda no ano de formação, o quarteto gravou de forma independente a sua primeira demo, intitulada "Thrash Can".
Três anos mais tarde a banda sofre a primeira alteração no line-up após as saídas do baixista Marcus Corich e do baterista Haakon Sjoegren, substituídos por Tyler Cantrell e Rich Tice, respectivamente. Naquele ano saiu mais um trabalho independente, só que dessa vez se tratava de um EP: "Pwn 'Em All". O compacto consiste na regravação das faixas da primeira demo, mas com uma faixa bônus.
No fim daquele ano de 2007, após a chegada do novo baterista Ryan Bloom, o conjunto enviou uma cópia do EP para uma gravadora desconhecida, mas essa cópia acabou chegando no conhecimento do poderoso selo Candlelight Records, que ofereceu um contrato.
O passo seguinte foi, como é de se esperar, o lançamento do álbum de estreia. Já com o baixista Jesse de Los Santos, que havia entrado no ano anterior, chegou ao público o caralhoso debut "Burn". Esse álbum demonstra com perfeição o perfil do Havok: um Thrash Metal pesado, pegado, tocado de forma energética, composto por riffs que o levam a sacudir a cabeça e solos velozes. Também apresentam uma bateria muito bem trabalhada, que empolga, e vocal técnico de drive bastante rasgado. Para não perder a essência, claro, os estadunidenses introduzem também os frequentes backing vocals gritados em coro, acompanhando fins de frase do vocal. Não foi à toa que colheram positivas críticas, porém, ainda não teria sido o suficiente para despontar a banda no cenário mundial.
Pouco antes do lançamento de "Burn", o baterista Ryan Bloom havia se desligado do conjunto, levando-os a contar com Scott Fuller para cumprir a turnê. Mais tarde, Pete Webber seria contratado como baterista integral.
Em 2010, mais shows foram realizados, inclusive um abrindo para o Primal Fear em Nova Iorque, mas no mesmo dia, o guitarrista Shawn Chavez saiu do Havok. De imediato, nenhum guitarrista substituto foi contratado. Pelo contrário: David Sanchez aprendeu os solos e a banda saiu em turnê como um power trio. Mais tarde, ainda no mesmo ano, Reece Scruggs chegaria ao posto vago, retomando a normalidade da formação.
Março de 2011 foi o mês de lançamento do segundo álbum de estúdio, intitulado "Time Is Up", um disco superior ao primeiro, e ainda mais agressivo. Esse foi o responsável pelo amplo conhecimento do Havok na cena Thrash, acumulando fartos elogios da mídia especializada. As datas de shows aumentaram em quantidade, assim como a qualidade das bandas com as quais dividiam palco, como por exemplo Possessed, Anthrax, Forbidden, Testament, 3 Inches of Blood, Exodus, Exhumer, Death Angel, Mayhem, At The Gates, Behemoth, entre outras.
Em 2012, um segundo EP, chamado "Point of No Return", foi adicionado à discografia, trazendo quatro faixas, dentre as quais duas são covers de "Arise" do Sepultura e uma junção entre "Postmortem" e "Raining Blood" do Slayer.
Logo ali, em 2013, mais um álbum fodaço emergiu dos estúdios: "Unnatural Selection", agora contando com Michael Leon como baixista. Novamente, mantém a fórmula de Thrash que já vinham praticando, mas com composições um tanto mais harmoniosas, variando um pouco da insistente porrada que já vinha sendo trabalhada nos discos anteriores. "Unnatural Selection" não apenas marca uma postura mais dinâmica (mas sem perder a essência e objetividade) por parte da banda; marca também o fim do contrato com a Candlelight Records. No meio do ano, assinaram com a Century Media Records, outra gigante da música.
O Havok é atualmente uma das melhores representantes do estilo. Quem conhece esses caras confirma a grande qualidade de sua música. Quem não conhece, confirmará! Afinal, estamos falando de uma banda de Thrash Metal oriunda dos Estados Unidos. Ninguém faz Thrash como o povo de lá. Puta banda que é difícil desagradar aos fãs do estilo!


 Thrash Can (Demo) (2004)

01 - Last Words
02 - Fate Controls
03 - Havok
04 - Identity Theft
05 - To Hell


 Pwn 'Em All (EP) (2007)

01 - Last Words
02 - Identity Theft
03 - Havok
04 - Fate Controls
05 - To Hell
06 - The Root of Evil (Demo Version)


 Burn (2009)

01 - Wreckquiem
02 - The Root of All Evil
03 - Path To Nowhere
04 - Morbid Symmetry
05 - Identity Theft
06 - The Disease
07 - Scabs of Trust
08 - Ivory Tower
09 - To Hell
10 - Category of The Dead
11 - Melting The Mountain
12 - Afterburner


 Time Is Up (2011)

01 - Prepare For Attack
02 - Fatal Intervention
03 - No Amnesty
04 - D.O.A.
05 - Covering Fire
06 - Killing Tendencies
07 - Scumbag Is Disguise
08 - The Cleric
09 - Out of My Way
10 - Time Is Up


 Point of No Return (EP) (2012)

01 - Point of No Return
02 - From Cradle To The Grave
03 - Arise (Sepultura Cover)
04 - Postmortem/Raining Blood (Slayer Cover)


 Unnatural Selection (2013)

01 - I Am The State
02 - Give Me Liberty... Or Give Me Death
03 - It Is True
04 - Under The Gun
05 - Waste of Life
06 - Living Nightmare
07 - Chasing The Edge
08 - Worse Than War
09 - Children of The Grave (Black Sabbath Cover)
10 - Unnatural Selection


Nenhum comentário:

Postar um comentário