Social Icons

domingo, 6 de julho de 2014

Demoniac - Discografia

Alguns não degustam música de forma crítica; apenas ouvem e julgam se gostaram ou não gostaram. Outros preferem ouvir, fazer críticas e descrever o que está sendo feito. Esses últimos precisam dos ouvidos um pouco mais abertos, embora isso, no fundo, não seja lá grande coisa. O importante é ouvir.
Digo isso pois geralmente há muita negação por parte de uma parcela dos fãs do Dragonforce acerca de sua origem Black Metal, não ciente de que o embrião da bem-sucedida banda inglesa executava tal gênero, e que esse gene ainda é carregado em sua sequência genética até os tempos atuais, mesmo que outros rótulos prevaleçam.
Pois é. As raízes de uma das mais aclamadas bandas de Speed Power Metal da atualidade e verdadeira sensação principalmente entre a molecada infincam fundo no solo, chegando até Auckland, no norte da Nova Zelândia. Lá, em um país onde a cultura Heavy Metal é escassa, nasceu o Demoniac, inicialmente com a proposta de fazer Black Metal puro e satanista.
O grupo foi fundado em 1993 pelo backing vocal e baixista Lindsay Dawson, pelo guitarrista Sam Totman e pelo baterista Stephen Francis, sendo que os dois primeiros adotaram os pseudônimos Behemoth e Heimdall. O também vocalista Mar Hamill ingressou a seguir como vocalista gutural, sob o pseudônimo Hideebeast. O quarteto lançou então a primeira demo "Rehearsal 13/7/93".
No ano seguinte, o vocalista Hideebeast mudou o pseudônimo para Adramolech e também assumiu a bateria, uma vez que Stephen Francis deixou a banda. O tecladista The Magus foi então recrutado para complementar a formação e trazer mais densa atmosfera ao som.
Com isso, o novo quarteto lançou mais uma demo em abril de 1994, intitulada "The Birth of Diabolic Blood", que provavelmente foi o responsável por presenteá-los com um contrato com a Evil Omen Records. Com o contrato em mãos, o álbum de estreia "Prepare For War" foi lançado mais tarde, em novembro.
Trata-se de um trabalho rústico e crespo, como um Black Metal tradicional tem que ser. Uma sonoridade fácil de relacionar a bosques envoltos em neve. Talvez possa não ser a intenção, ou talvez possa, mas em determinados trechos os rasgados vocais de Adramolech e os mais fortes guturais de Behemoth tomam linhas engraçadas, e até alguns sons no instrumental mesmo são cômicos. Apesar disso, certamente é um trabalho que pode agradar aos fãs mais exigentes e antigos da vertente.
Assim que o debut saiu, o tecladista The Magus se desligou, substituído por MC Magnus, seu irmão, mas apenas como membro de sessão. Os trabalhos de composição então tiveram sequência, até que resultaram em um álbum que soa de forma bem inesperada.
"Stormblade", lançado em 1996, adota linhas melódicas de Power Metal em consonância com Black Metal. É basicamente Power interpretado pelos típicos guturais rasgados e trechos Black no instrumental. O resultado é realmente interessante, ainda mais que foi a partir daqui que a banda começou a ganhar os primeiros traços do que viria a ser feito no Dragonforce. Portanto, o sentimento de familiaridade é certeiro.
O Demoniac de fato conseguiu conquistar um pouco do seu espaço com esse álbum. Assinaram um contrato com o selo francês Osmose Productions e iniciaram a turnê World Domination Tour, passando através do oeste europeu ao lado de bandas como Dark Tranquillity e Enslaved. A experiência europeia os fez perceber como a cena ali era forte, ainda mais em comparação com o fraco apoio que recebiam na tímida cena neo-zelandesa. Por isso, Behemoth e Heimdall decidiram permanecer em Londres, na Inglaterra. Insatisfeito, talvez desejando continuar vivendo em sua terra natal, Adramolech deixou o conjunto.
Enquanto desenvolviam o novo direcionamento que estavam tomando, completaram a formação em 1998 a partir da chegada do baterista esloveno Matej Setinc e do guitarrista chinês de Hong Kong Herman Li, que, adotando o pseudônimo Shred, viria a ser decisivo na cara do novo Demoniac.
O resultado final foi o álbum "The Fire and The Wind", lançado em 1999, produzido por Mags (que já trabalhou com o Cradle of Filth) e apresentando uma polêmica capa onde um dos membros da banda aparece fazendo sexo enquanto bebe e aponta o dedo do meio. A capa original era em perto e branco e clara, o que ocasionou alvoroço e censura. Posteriormente foi editada, utilizando a mesma imagem mas tornando as coisas menos óbvias.
A temática satanista é completamente abandonada nesse lançamento e o guitarrista Herman Li contribui forte para as linhas de guitarra, largando o dedo nas casas e fazendo sua conhecida fritação. Isso levou o Demoniac a ser uma banda praticamente integralmente Speed Power Metal, mesmo que ainda interpretada pelos urros rasgados de Behemoth. Quem é fã do Dragonforce pode vir a gostar muito desse trampo, já que é basicamente um Dragonforce com guturais rasgados.
Para a turnê subsequente, a banda contratou o baixista Diccon Harper (ex-Voice of Destruction), afim de deixar Behemoth livre do instrumento para ganhar liberdade ao vivo, focando apenas nos vocais.
Os caras ainda trariam em novembro de 1999 o EP de quatro músicas "Demons of The Night", porém, ainda antes da virada do ano, o Demoniac teve seu fim, fazendo do EP o registro que fecha a discografia. Todos os membros, exceto Behemoth, formaram, ainda naquele restinho de ano, o Dragonheart, que em 2001 viria a ser conhecido como Dragonforce.
Anos mais tarde, Lindsay Dawson, o Behemoth, apareceria como membro convidado no "Inhuman Rampage", terceiro álbum de estúdio do Dragonforce, executando backing vocals e alguns guturais rasgados.
Fica aí uma oportunidade para fãs e simpatizantes do Dragonforce conferirem suas raízes e perceberem o lapidamento até chegar no som atual. Mesmo que não tenha se tornado um gigante e não seja a oitava maravilha do mundo, o Demoniac mostrou um interessante, incomum e incomum caminho: o de unir dois ramos metálicos aparentemente incompatíveis entre si e soar bacana. Com o passar dos anos, a fusão de elementos no Metal viria a se tornar a constante que é hoje em dia, daí, nos parâmetros atuais, misturas não impressionam como antes. Mas naquela época era bem arriscado e os caras fizeram bem!


 Prepare For War (1994)

01 - Introduction (Prologue of War): Prepare For War
02 - The Birth of Diabolic Blood
03 - The Earth Calls Me
04 - Missein Anthropos
05 - Hammer of Damnation
06 - The Return of Darkness and Evil
07 - Celtic Sword of Iron
08 - A. Narain
09 - Evocation
10 - Chaoist
11 - So Bar Gar
12 - Dormant Entity
13 - Final (Epilogue of War)


 Stormblade (1996)

01 - Burn The Witch
02 - Domination
03 - Red Light
04 - Into The Cavern Light
05 - Hatred Is Purity
06 - Fight The War
07 - Red Headed Maniac
08 - Niggerslut
09 - Stormblade & Intro


 The Fire and The Wind (1999)

01 - The Eagle Spreads It's Wings
02 - Daggers and Ice
03 - Demoniac Spell
04 - Night Demons
05 - Demons of The Night
06 - Myths of Metal
07 - Sons of The Master
08 - The Fire and The Wind


Nenhum comentário:

Postar um comentário