Social Icons

sábado, 26 de julho de 2014

Claustrofobia - Discografia

Alguns fãs de Death Metal mais tradicionalistas podem até discordar, até pela veemência e agressividade com a qual se referem ao Sepultura, mas é muito difícil não relacionar o som do Claustrofobia ao que era feito nos primórdios da mencionada banda mineira, ali entre "Beneath The Remains" (1989) e "Chaos A.D." (1993), pelo menos. Aquela típica fórmula abandonada pelo Sepultura a partir de "Roots" (1996) que une elementos extremos de rastros deixados por bandas como Venom, misturando sobretudo o Death Metal com belas doses de Thrash Metal, sempre foi levada a sério pelos caras do Claustrofobia, meio que fazendo com que eles sejam o Sepultura que os mais tradicionais queriam ver. Se dizem que o Sepultura traiu o movimento e fugiu às raízes, o mesmo certamente não pode ser dito sobre o Claustrofobia, que nunca deixou de fazer o coro comer com violência.
Essa foderosa banda que incrivelmente não tem o reconhecimento que merece aqui em nosso país, surgiu em 1994 na cidade de LemeSão Paulo, para fazer aquele tradicional, impositivo e autoritário Death/Thrash Metal frequentemente tocado no underground de todo o mundo, mas com muita atitude e diferencial. Digo isso pois o Claustrofobia é diferente. Tem uma energia própria.
A primeira demonstração do som saiu em 1995, a demo "Saint War", lançada de forma independente contando com Marcus D'Angelo no vocal e guitarra solo, Marcelo na guitarra base, Daniel Bonfogo no baixo e Ivan na bateria.
O debut homônimo saiu apenas mais tarde, em 2000, após conquistar um contrato com a Destroyer Records e passar a contar com Alexandre de Orio na segunda guitarra e Caio D'Angelo na bateria, formação que se estabilizaria até os dias atuais. Com uma sonoridade que remonta ao Old School, músicas pegadas e esmagadoras, solos frenéticos e, claro, revoltados vocais guturais, os lemenses já sabiam desde o primeiro álbum como arregaçar pescoços. A faixa "You Deserved To Die" ainda trás a participação especial do vocalista Marcello Pompeu (Korzus). O maior pecado é o fato das músicas serem demasiadamente curtas, característica que se estende aos álbuns posteriores.
Na sequência é a vez de "Thrasher" sair. Lançado em 2002, esse registro aposta na mesma fórmula de seu antecessor, inclusive no que diz respeito à qualidade da produção. Porém, musicalmente falando, com um pouco mais de velocidade, um lado Thrash um tanto mais aflorado, e melhor performance gutural de Marcus D'Angelo, uma vez que está mais fechado e horripilante. Novamente trazem o interessante detalhe de contarem com uma participação especial. Dessa vez a figura é o Vitor Rodrigues (Voodoopriest, ex-Torture Squad), que empresta sua voz na faixa "Claustrofobia".
O terceiro álbum de estúdio foi lançado em 2005 e se chama "Fullminant". Novamente, o disco é simplesmente destruidor! A tradição de trazer convidados especiais é preservada aqui; dessa vez quem empresta as habilidades são o guitarrista Andreas Kisser (Sepultura) na faixa "Eu Quero É Que Se Foda", e o vocalista Alex Camargo (Krisiun) na faixa "Fact". Infelizmente esse foi o último álbum que contou com participações especiais.
A banda passou então um período sem lançar novo álbum, silêncio que geralmente incomoda. Contudo, após migrarem para a Candlelight Records, finalmente, em 2009, trouxeram o foderoso "I See Red", um disco carregado de uma ira aguçada pela pesada produção. Não é algo que desmereça os discos anteriores, mas dessa vez, a banda está mais madura e criativa. O vocal de Marcus está melhor que nunca, por vezes contando ao mesmo tempo com uma camada inferior de vocal gutural rasgado executado pelo baixista Daniel Bonfogo, fazendo com que as passagens soem mais demoníacas. Impossível não ressaltar o primoroso trabalho de Caio D'Angelo com a bateria. Se tem algo que dá ritmo de às músicas e excita de verdade, é a bateria, e se ela é composta da forma como foi nesse trabalho, é fatal. É de dar gosto tanta raiva, tanta variação, tanta velocidade. Um verdadeiro estupro!
"Peste" é o disco mais recente do conjunto. Incrivelmente foda e lançado em 2011 pelo selo Sangre, agora o Claustrofobia procurou fazer um disco de ares totalmente brasileiros, mas sem prejudicar a sua conhecida agressividade. A língua portuguesa foi valorizada em todos os álbuns anteriores, pois a banda sempre incluiu neles algumas músicas em português. Mas dessa vez, para dar maior fidelidade à proposta patriota, o quinto álbum de estúdio teve suas letras inteiramente compostas em português. O nosso Samba até dá o ar da graça na faixa "Nota 6,66", uma exceção à sonoridade. "Peste" é uma verdadeira aula de como executar um Death/Thrash Metal consistente com pitadas de brasileirismo manifestada nos próprios riffs aqui e ali.
Essa é certamente uma das maiores bandas do gênero no underground brasileiro, mas infelizmente, nessa vertente, parece que a mídia ou uma boa parcela dos fãs se nega a valorizar, a fazer crescer, meio que tentando manter o Sepultura como monopólio. Mas isso já se foi há muito tempo. O Brasil não é só Sepultura, e tem muita banda foda fazendo um som fodido na linha que exigem os headbangers do underground. Enquanto falta reconhecimento aqui, lá fora a coisa geralmente é diferente... o Claustrofobia tem muita apreciação na Europa, mais do que no Brasil. É frustrante as bandas daqui muitas vezes fazerem sucesso lá fora primeiro para só depois serem reconhecidas em seu próprio país. De qualquer forma, cá está uma banda sensacional que passa mensagens fortes mensagens de críticas sociais e políticas. Uma banda que fala a realidade através de um som tão duro quanto ela e no vocabulário que o povo realmente tem vontade de usar. Claustrofobia é motivo de orgulho para o headbanger brasileiro!


 Claustrofobia (2000)

01 - Terror and Chaos
02 - Pivete
03 - Be Buried Alive
04 - Old World
05 - Victims of Cowardly
06 - Life Or Death
07 - You Deserved To Die
08 - Tabaco
09 - Selva Urbana
10 - Manifestações


 Thrasher (2002)

01 - Thrasher
02 - Born To Fight
03 - Condemned
04 - Insane Reality
05 - Inside Out
06 - Enemy
07 - Claustrofobia
08 - Words From The Third World
09 - Manipulation (Corrosive Effect)
10 - Paga Pau


 Fulminant (2005)

01 - Disorder and Decay
02 - Reality Show
03 - Claustruth
04 - Underground Party
05 - It's Not Enough To Exceed, You Must Run Over
06 - Terror Against Terror
07 - Protective Hate
08 - Witness
09 - Roots of Disease
10 - Eu Quero É Que Se Foda
11 - Necessary Evil (Napalm Death Cover)
12 - Two Faced
13 - Fact


 I See Red (2009)

01 - Discharge
02 - War Stomp
03 - Minefield
04 - Evil University
05 - Alarm
06 - Raning Shit
07 - Don't Kill The Future
08 - Our Blood
09 - Natural Terrorism
10 - I See Red
11 - Tiro de Meta
12 - Subconscious In Flames
13 - Nóia
14 - Filha da Puta (Ultraje A Rigor Cover)
15 - Beneath The Remains (Sepultura Cover)


 Peste (2011)

01 - Peste
02 - Metal Maloka
03 - Bastardos do Brasil
04 - Nota 6,66
05 - Pino de Granada
06 - Alegoria do Sangue
07 - Bicho Humano
08 - Vida de Mentira
09 - Caosfera
10 - Viva


2 comentários:

  1. Muito foda cara... a banda em si e vcs dono do blog...

    ResponderExcluir
  2. Muito boa esta banda. musicas bem arranajada letras incriveis Claustrofobia e foda!!!

    ResponderExcluir