Social Icons

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Murderdolls - Discografia

Independente da área de preferência no Rock ou Metal, todo aquele que já tiver algum tempo de estrada, em algum momento da vida, ouviu falar do Murderdolls. Por muito tempo ouvia por alto, mas nunca tinha chegado a correr atrás, coisa que todos devem entender muito bem; Sempre existe alguma banda famosa que a gente nunca procurou ouvir. Dentro do liricamente divertido Horror Punk, esses caras podem ser referência atual. É a banda que tem "o tal" do Joseph Poole, conhecido como Wednesday 13, na linha de frente, que também acabou se tornando ainda mais conhecida pelo fato de Joey Jordison (ex-baterista do Slipknot) ter feito parte dela, tocando guitarra. A mídia interessantemente define a sonoridade como uma fusão entre Mötley Crüe e Misfits.
Possivelmente o embrião do Murderdolls tenha sido o The Rejects, banda Punk formada em 1994 em Des MoinesIowa, Estados Unidos, que o guitarrista Joey Jordison e o vocalista Dizzy Draztik faziam parte. Alguns anos mais tarde o grupo se dissolveria e o Slipknot assinaria com uma gravadora maior, o que deixou a antiga banda ainda mais no passado. No entanto, durante a Ozzfest de 1999, na Califórnia, Joey Jordison encontrou o guitarrista Tripp Eisen (Static-X, ex-Dope) e propôs a ideia de reativar, ao lado do Dizzy Draztik, o antigo projeto The Rejects, proposta essa que foi prontamente aceita. Eisen ainda trouxe do Dope o baterista Racci Shay. Em seguida, chegou o baixista Ian, completando a formação inicial.
Os caminhos do The Rejects se cruzaram com os do vocalista Wednesday 13 quando Dizzy apresentou o Frankestein Drag Queens From Planet 13 a Jordison, um grupo de Horror Punk de Charlotte, na Carolina do Norte, que Wednesday 13 era vocalista. Dizzy conseguiu persuadi-lo a ingressar no The Rejects em 2001, mas como baixista, no lugar de Ian. Somente um tempo depois ele se moveria à posição de vocalista devido à saída de Dizzy, que precisava cuidar de sua mãe doente.
Em 2002, o nome foi alterado para Murderdolls, e com ele finalmente adotaram a postura de uma banda de Horror Punk, na vestimenta e nas letras, graças à influência que Wednesday 13 trazia de sua banda anterior. Os trabalhos de composição tiveram início, e rapidamente já dispunham de material suficiente para lançar material. Assinaram então, pela influência do Dope e Slipknot, com a Roadrunner Records.
A formação da banda consistia apenas, novamente, de Wednesday 13, Joey Jordison e Tripp Eisen. Já tinham material suficiente para lançar material, mas sentiam necessidade de mais membros na formação. Foi aí que o baixista Eric Griffin e o baterista Ben Graves ingressaram. Com isso, foram lançados dois trabalhos, ainda em 2002: o EP "Right To Remain Violent", contendo apenas três faixas, e, por fim, o excelente debut "Beyond The Valley of The Murderdolls". Apesar dos dois novos membros aparecerem na capa do álbum, eles não participaram das composições nem gravações. Aliás, doze das quinze faixas do disco foram trazidas por Wednesday 13 de sua banda anterior, Frankestein Drag Queens From Planet 13, todas compostas por ele mesmo.
O álbum de estreia teve sucesso muito limitado nos Estados Unidos, e ainda foi muito ofuscado pelas bandas maiores dos integrantes. A promoção o ditava como o álbum "da outra banda de Joey Jordison", ou então como uma colaboração entre Joey e Tripp Eisen, tornando a importância de Wednesday 13 não conhecida.
Em julho daquele mesmo ano, Tripp Eisen deixou o Murderdolls para focar apenas na sua banda principal, o Static-X, que estava gravando o álbum "Shadow Zone" na época. Acey Slade, do Dope, substituiu Eisen na guitarra.
Shows já eram realizados ainda antes do lançamento do debut. Inclusive, chegaram a ir a Tóquio dois dias antes do lançamento, o que ajudou a criar uma base de fãs lá. Mas uma turnê de fato também sucedeu ao lançamento até 2003, passando por diversas localidades dos Estados Unidos e pela Europa, dividindo palco com bandas como Foo FightersStone SourIron MaidenQueens of The Stone Age, entre outras, através de eventos como Rock am RingDownload Festival e afins.
Infelizmente, a banda acabou sendo desativada em 2004. No entanto, Joey Jordison e Wednesday 13 haviam deixado claro que não seria algo definitivo, e que gravariam um novo álbum futuramente. Isso viria a demorar bastante tempo para acontecer... mas aconteceu! Enquanto não acontecia, Wednesday 13 embarcou de cabeça em sua carreira solo.
Em março de 2010, Joey Jordison revelou à Kerrang que conversava sobre o retorno do Murderdolls desde 2006, e que agora estariam de fato voltando, sob nova formação. Além da dupla, vieram o guitarrista Roman Surman, o baixista Jack Tankersley e o baterista Racci Shay, novamente.
Finalmente, em agosto de 2010, saiu, novamente via Roadrunner Records, aquele que é considerado pela banda o seu primeiro álbum em definitivo (pelo fato de ter sido inteiramente composto por eles mesmos, isolados numa mansão nas colinas de Hollywood): "Women & Children Last". É considerado por eles como o melhor álbum, algo que particularmente estou de acordo. Está mais coeso, mais empolgante, e mais pesado também. É até um pouco mais fácil de assimilar, pois os refrões estão mais "grudentos", e os riffs também se mostram mais abertos. O jeito irreverente das letras está ainda mais afiado, e os arranjos se mostram ainda divertidos.
Mais uma turnê subsequenciou o álbum, novamente passando por localidades dos Estados Unidos, Europa e Austrália, participando de diversos festivais e abrindo pra bandas como Guns N' RosesRob Zombie e Alice Cooper. Uma última turnê ainda teria sido realizada na América do Norte, chamada "Violent Night, Deadly Night Tour", no entanto, foi cancelada no fim de novembro de 2010 por problemas familiares dos integrantes. Acabou que, em março de 2013, o Murderdolls foi novamente dissolvido por tempo indeterminado desde 2011.
O Murderdolls é um excelente expoente do Horror Punk, e obrigatório pra quem curte o gênero. O vocal de Wednesday 13 é rasgado e irônico, as faixas têm curta duração, as guitarras são pesadas e atrativas, e as letras, em meio à comédia zumbi, têm toneladas de palavras de baixo calão. Ainda paira no ar a expectativa de um retorno, quem sabe. Enquanto isso, temos dois excelentes álbuns para apreciar.


 Right To Remain Violent (EP) (2002)

01 - Dead In Hollywood
02 - Twist My Sister
03 - Let's Go To War


 Beyond The Valley of The Murderdolls (2002)

01 - Slit My Wrist
02 - Twist My Sister
03 - Dead In Hollywood
04 - Love At First Fright
05 - People Hate Me
06 - She Was A Teenage Zombie
07 - Die My Bride
08 - Graverobbing U.S.A
09 - 197666
10 - Dawn of The Dead
11 - Let's Go To War
12 - Dressed To Depress
13 - Kill Miss America
14 - B-Movie Scream Queen
15 - Mother Fucker, I Don't Care
16 - Crash Crash (Bonus Track)
17 - Let's Fuck (Bonus Track)
18 - I Take Drugs (Bonus Track)
19 - White Wedding (Bonus Track)
20 - Welcome To The Strange (Bonus Track)
21 - I Love To Say Fuck (Bonus Track)


 Women & Children Last (2010)

01 - The World According To Revenge
02 - Chapel of Blood
03 - Bored 'Til Death
04 - Drug Me To Hell
05 - Nowhere
06 - Summertime Suicide
07 - Death Valley Superstars
08 - My Dark Place Alone
09 - Blood Stained Valentine
10 - Pieces of You
11 - Homicide Drive
12 - Rock 'N' Roll Is All I Got
13 - Nothing's Gonna Be Alright
14 - Whatever You Got, I'm Against It
15 - Hello, Goodbye, Die


Um comentário: