Social Icons

quarta-feira, 14 de maio de 2014

Doom:VS - Discografia

A capacidade que a música tem de estimular nossos sentidos, acionar lembranças, estimular a imaginação e inspirar é uma coisa simplesmente fantástica. Música sempre tem alguma característica que te faz imaginar alguma coisa, dependendo do ritmo e dos instrumentos utilizados, por mais que às vezes não sejamos capazes de descrever o que vem a nossas mentes. E ainda, algumas musicalidades são tão impactantes que chegam a mexer com nossas emoções.
Dentro do estilo musical mais diversificado do mundo não acontece diferente. Tem bandas pra todos os gostos, todos os estilos, e até mesmo para o seleto público mais depressivo (ou que simplesmente curte algo mais melancólico pela sua arte). Dentre os gêneros que reproduzem energia triste e negativa, está o Funeral Doom Metal, uma variável do Doom Metal com característica ainda mais angustiante, arrastada e sombria.
Desde 1994, o multi-instrumentista e produtor sueco Johan Ericson já estava envolvido nesse tipo de sonoridade, a partir de sua banda principal, o famoso Draconian, onde começou como baterista, e atualmente é guitarrista. Entretanto, dez anos mais tarde viria a fundar, em Säffle, um projeto paralelo que levava a melancolia Doom a um novo patamar, almejando um efeito ainda mais obscuro e pessoal. Esse projeto é o Doom:VS, que segue exatamente a linha do Funeral Doom Metal.
Seus trabalhos são realmente excelentes e trazem com muita qualidade tudo que alguém busca no gênero. Portanto, já sabe-se o que esperar: um transporte a uma dimensão lúgubre, densa, com riffs arrastados e com guturais cavernosos e angustiados igualmente estendidos, além de longas faixas. Tudo na conta do próprio Johan, que leva o projeto sozinho, tocando todos os instrumentos e executando todos os vocais, tanto os guturais quanto os limpos que são introduzidos aqui e ali, além de partes narradas.
O primeiro registro do Doom:VS saiu ainda em 2004, a demo independente "Empire of The Fallen", que foi subsequenciada pelo debut "Aeternum Vale" em 2006, lançado pela Firedoom Music. O título em latim significa "Despedida Eterna". Esse primeiro álbum é um pouco mais estático, usando praticamente só vocais guturais.
Com o lançamento de "Dead Words Speak", em 2008, um pouco mais de versatilidade vocal passou a ser apresentada devido à maior participação dos aflitos vocais limpos. Essa mesma fórmula também foi aproveitada no terceiro e mais recente álbum de estúdio, intitulado "Earthless", e lançado em maio de 2014, dessa vez pela Solitude Productions.
Assim como todo Funeral Doom Metal dos fodas, a sonoridade do Doom:VS te trás imagens fúnebres e tristes pintadas em preto e branco ou pardo, onde tudo acontece em câmera lenta. As letras retratando depressão, morte, doenças e extinção realçam belamente as vibrações que chegam aos seus ouvidos. Quem é mais ligado na vertente muito provavelmente conhece, e quem ainda não, fica aí a oportunidade e a curiosidade.
Esse tipo Metal mais especial, que não costuma cativar as grandes massas, geralmente não recebe atenção, ou é até tratado com escárnio por alguns números. Mas antes de ouvir uma banda, é sempre importante compreender qual o objetivo do que está sendo feito. Isso ajuda a entender a sonoridade, a gostar da banda, ou no mínimo respeitar. Claro, sempre cabe a questão do gosto. Não gostar é válido. Mas o respeito e a ideia de que existe Metal para todos os públicos e personalidades há de sempre estar em mente.


 Empire of The Fallen (Demo) (2004)

01 - I Fade
02 - Empire of The Fallen
03 - Oblivion Upon Us
04 - Aeternus


 Aeternum Vale (2006)

01 - The Light That Would Fade
02 - Empire of The Fallen
03 - The Faded Earth
04 - Oblivion Upon Us
05 - The Crawling Insects
06 - Aeternus


 Dead Words Speak (2008)

01 - Half Light
02 - Dead Words Speak
03 - The Lachymal Sleep
04 - Upon The Cataract
05 - Leaden Winged Burden
06 - Threnode


 Earthless (2014)

01 - Earthless
02 - A Quietly Forming Collapse
03 - White Coffins
04 - The Dead Swan of The Woods
05 - Oceans of Despair
06 - The Slow Ascent


Um comentário:

  1. Boa noite, caro Walker Marques!
    Sensacional o q. vc. escreveu sobre Johan Ericson e seu projeto maravilhoso. Muitos ouvintes da musica extrema, não tem idéia da qualidade das bandas nesse estilo denso. Parabéns e forte abraço!

    Jorge

    ResponderExcluir