Social Icons

sábado, 12 de abril de 2014

Tuomas Holopainen - Discografia

Nunca fui de me declarar abertamente fã do produtor, compositor e multi-instrumentista finlandês Tuomas Holopainen. Mas se eu for parar pra pensar, os geniais trabalhos desse cara no Nightwish - banda que despontou seu nome e o consolidou na cena por meio do papel de fundador, líder, tecladista e compositor - são imensamente apreciados por mim. Tudo o que ele fez (e ainda faz) em sua banda de Symphonic Metal teve papel importantíssimo no desenvolvimento e amadurecimento do meu gosto musical desde moleque. Foi a primeira banda do gênero que ouvi, a primeira com vocal feminino que viciei, ensinou-me a apreciar vocais líricos, Música Erudita, e ainda influenciou muito no meu paladar por vertentes primas como Gothic Metal e Doom Metal.
Para se ter uma ideia de como considero importante sempre dar uma chance a bandas das mais variadas vertentes, eu tive um forte vício pelo Nightwish. Talvez, se não fosse isso, eu nem teria dado bola para o Epica, que me foi indicado justamente porque seguia linha similar à dos finlandeses. Ouvi. De início, os vocais guturais de Mark Jansen não me agradaram, muito menos a veia Death Metal, mas com o tempo valorizando o lado sinfônico e o vocal da Simone Simons e sendo "obrigado" a ouvir as partes mais pesadas, acabei desenvolvendo fascínio pelo gutural do Mark, e a partir daí, passei a flertar com bandas cada vez mais pesadas, até curtir Metal Extremo sem problema nenhum, mesmo que, por uma questão de "origem", eu tenda a gostar mais de vertentes mais melódicas. Uma coisa leva à outra, por isso apoio muito que os bangers sempre abandonem o preconceito, ou seja lá que barreira desenvolvem, e experimentem novos sons.
Mas a postagem é sobre esse músico que não tenho identificação pessoal, ainda assim devo muito a ele: Tuomas Lauri Johannes Holopainen, nascido no dia 25 de dezembro de 1976, em Kitee. Ainda na infância, na escola, seu gênio musical desabrochou. Vendo seu potencial, a mãe o inscreveu nas aulas de piano ainda aos sete anos de idade. Suas habilidades foram expandidas pelos 11 anos de estudo em clarinete, saxofone tenor e teoria musical em uma escola de música. O gosto pelo Metal foi despertado quando um amigo que fez num intercâmbio aos Estados Unidos o levou para ver shows do Metallica e Guns N' Roses, ocasiões únicas que deixaram-no apaixonado.
A vida como músico do Metal começou em 1993, quando tinha 16, quase 17 anos. Nessa época, participou de diversas bandas, incluindo For My Pain... (onde ainda está ativo) e Darkwoods My Betrothed, lançando os três álbuns dessa última, que fazia Black Metal. Mas não demorou muito para que o interesse em começar a sua própria banda acendesse. E assim, em volta de uma fogueira, o Nightwish nasceu, inicialmente um projeto acústico. A banda tomou forma e direcionamento de fato quando, contando com o guitarrista Erno "Emppu" Vuorinen, a vocalista Tarja Turunen (sua colega de classe na época) e o baterista Jukka Nevalainen, ele percebeu que dava pra transformar a ideia em um projeto de Metal. E assim foi.
A partir daí, foi questão de tempo até a banda obter apreciação a nível mundial e grande prestígio, principalmente após o quarto álbum "Century Child", de 2002, o primeiro a contar com Marco Hietala (Tarot) no baixo e segundo vocal. A consolidação definitiva veio com o álbum "Once", de 2004. A fama e a repercussão da banda aumenta a cada ano, apesar das intempéries com a demissão de Tarja Turunen em 2006, e as frequentes críticas à sua substituta, a sueca Anette Olzon (ex-Alyson Avenue), que também foi demitida em 2013. Como consequência da decolagem do nome do Nightwish, Tuomas Holopainen é graciosamente reverenciado pelos fãs, e tem respeito máximo.
Mas o real motivo dessa postagem aparecer aqui é que, assim como todo grande músico, Tuomas Holopainen também tem seu projeto solo. Isso me pegou de surpresa. Estava totalmente desprevenido, até que me deparei com o lançamento, e fiquei curioso. O projeto foi idealizado em 2012, a partir de composições avulsas, escritas já com o intuito de serem utilizadas nesse trabalho, mas Tuomas queria dar perfil definitivo a elas apenas depois da Imaginaerum Tour.
O músico lançou seu debut no dia 11 de abril de 2014, via da Nuclear Blast, intitulado "The Life and Times of Scrooge". Pois é, a capa é engraçada e infantil exatamente porque o álbum foi inspirado na história em quadrinhos "A Saga do Tio Patinhas"! Produzido e composto por ele mesmo, o trabalho é majoritariamente instrumental. Não é um disco de Metal, mas Symphonic Rock com uma veia Folk, chegando até a, às vezes, trazer lampejos de um Blackmore's Night orquestrado. Se você tem acompanhado os últimos trabalhos do Nightwish, conhece muito bem toda a forte orquestração que vem sendo inserida na sonoridade. Essa mesma potência é trazida toda pra cá, fazendo desse registro algo maravilhoso e cheio de classe, desde as passagens mais ternas às mais intensas!
Os instrumentos são tocados por diversos membros de sessão do Nightwish, inclusive o flautista Troy Donockley, que incrivelmente foi efetivado na banda junto da vocalista Floor Jansen (ReVamp, ex-After Forever). Embora seja mais focado no instrumental, algumas faixas, ou passagens delas, também são cantadas suavemente, de forma a não perder o foco clássico. São quatro vocalistas: as finlandesas Johanna Iivanainen e Johanna Kurkela (que até participou no álbum "The Days of Grays" do Sonata Arctica), o estadunidense Alan Reid, e, interessantemente, Tony Kakko (Sonata Arctica), fã declarado dos trabalhos do Tuomas, e muito influenciado pelos mesmos. Não é exagero algum chamar o álbum de obra-prima. Fantástico!
Tuomas Holopainen é, sem sombra de dúvidas, um músico e compositor de mão cheia. Além de uma bela carreira musical, o finlandês ainda é o "culpado" principal na "mania de Metal com vocal feminino". O Nightwish não foi a primeira banda assim, até porque, ainda antes, havia os noruegueses do Theatre of Tragedy já estavam praticando o Metal tipo "A Bela e A Fera". Porém, o Nightwish foi o que impulsionou o Symphonic Metal, influenciando bandas de bandas de Power Metal e o surgimento de novos grupos de Symphonic Metal. O Epica mesmo foi muito influenciado pelo Nightwish, assim como, antes de fundá-lo, Mark Jansen tomava muita inspiração também no Theatre of Tragedy, ainda na época do After Forever. É pra ter respeito!


 The Life and Times of Scrooge (2014)

CD 1:
01 - Glasgow 1877
02 - Into The West
03 - Duel & Cloudscapes
04 - Dreamtime
05 - Cold Heart of The Klondike
06 - The Last Sled
07 - Goodbye, Papa
08 - To Be Rich
09 - A Lifetime of Adventure
10 - Go Slowly Now, Sands of Time
11 - A Lifetime of Adventure (Alternative Version)


CD 2 (Instrumental):
01 - Glasgow 1877
02 - Into The West
03 - Duel & Cloudscapes
04 - Dreamtime
05 - Cold Heart of The Klondike
06 - The Last Sled
07 - Goodbye, Papa
08 - To Be Rich
09 - A Lifetime of Adventure
10 - Go Slowly Now, Sands of Time

Download (CD 1 + CD 2)

Nenhum comentário:

Postar um comentário