Social Icons

domingo, 23 de março de 2014

Nota Profana - Discografia

Geralmente não muito lembrada quando o assunto é os países da América do Sul, a Venezuela costuma ser mais relacionada a problemas políticos e sociais, manifestações públicas e ao controverso governo do ex-presidente Hugo Chávez, que morreu no dia 5 de março de 2013. Mas como em qualquer outro país de qualquer localidade do mundo, música de qualidade é apreciada, e consequentemente criada. Uma vez que o Metal é um estilo musical global, é natural que bandas de qualidade surjam nos lugares mais improváveis. Nossos vizinhos ao norte têm seus representantes também, e dos bons.
Refiro-me ao Nota Profana, uma excelente banda de Symphonic/Death Metal de Caracas, a capital venezuelana. Assim como inúmeras outras bandas, esses caras começaram com a ideia de ser "apenas" uma banda cover. Digo "apenas", entre aspas, pois normalmente a ideia de fazer cover é vista como simplória, mas no caso dos venezuelanos, era ousada. O baixista José Luis Castillo, que deu início a tudo em julho de 2005, tinha em mente recolher vários músicos para reproduzir covers do Haggard, puta banda alemã do mesmo gênero que é mais uma orquestra do que uma banda.
Publicando anúncios em shows, conservatórios e institutos musicais, até novembro daquele ano, José Luis conseguiu completar a formação pela primeira vez, possibilitando o início do processo de composição e ensaios do repertório. Teve início o Proyecto Haggard, primeiro nome do projeto.
Logo no início de 2006, problemas internos se assentaram sobre a banda, desembocando em trocas no line-up, mesmo com boa parte do repertório já pronta. Mas há males que vêm para o bem; a renovação levou José a recrutar uma grande quantidade de músicos, que mesmo levando mais de um ano para se completar satisfatoriamente, foi importante para a banda. A formação passaria a ser compreendida em: Renzo Lucena (vocal gutural), Susana Dávila (vocal soprano), Carlos Mosquera (guitarra), Brian Simmons (bateria), Daniel Padrón (viola), Joanmary Montes (violoncello), Erika Perera (contra-baixo), Maria Eugenia Vásquez (piano), Loidmary Perenguez (flauta), Hairin Colina (oboé), William Mora (clarinete), Ana Paola Alarcón e Sonali Zambrano (ambas violino) e Victor Villarroel e Edgardo Acosta (ambos percussão). Por último, em setembro de 2007, ainda entraram, completando de vez, Marina Bello (vocal mezzo-soprano), Mariana Rojas (baixo elétrico), Jhonatan Perez e Daniel Bello (ambos cornetistas). Esses membros seriam os responsáveis pela contribuição do caráter mais sério do projeto, transformando-o em algo autoral. E assim nasceu, definitivamente, o Nota Profana.
Com tantos membros, agora ficou teoricamente igual ao Haggard, correto? Nem tanto. A sonoridade dos alemães é mais para orquestra do que para o Death Metal, e o lado Metal e lado Erudito soam mais deslocados um do outro. O Death Metal é extremamente puro, e não soa tanto em consonância com os instrumentos clássicos. Mas ainda assim é uma maravilha! O Nota Profana já faz uma mescla propriamente dita, você sente que ambos fazem parte do mesmo meio, e o lado sinfônico é de fato como as outras bandas de Symphonic Metal, o que cria afinidade com o Metal e distancia um pouquinho da Música Clássica pura (coisa que o Haggard flerta melhor, pois faz você sentir que está em um concerto erudito).
A primeira prova-real disso é o disco de estreia "Violent Whispers", lançado em 2008. Já nota-se claramente que a banda tem muita qualidade, e não se parece muito com o Haggard. É uma banda de Symphonic Metal onde os instrumentos clássicos fazem a base (ao invés dos teclados como normalmente acontece), que mistura Death Metal, com direito a passagens de vocal gutural rasgado em meio aos sopranos e ritmo acelerado encabeçado pela bateria. É uma banda capaz de unir o belo ao agressivo, o clássico e estudado ao marginalizado de forma competente. Ao longo do trabalho experienciamos essas alternâncias na climática, apesar do lado mais calmo ser mais sobressaltante. O gosto que deixa é a positividade de uma bela banda que sabe o que está fazendo. Mas as coisas viriam a ser ainda melhores.
Em 2009, novas mudanças aconteceram na formação, sendo a mais relevante delas a entrada da vocalista soprano Gaby Koss, que fazia parte do Haggard. Isso deu um pouco mais de notoriedade à banda, que fez uma turnê nacional e chegou também a se apresentar no México. Entre as mudanças também está a saída do baixista e fundador José Luis Castillo, por motivos desconhecidos. Por volta dessa época, os trabalhos para o próximo álbum já estavam prontos, faltando apenas gravar. Contudo, o lançamento custou para acontecer.
"The Devil's Playground" foi lançado oficialmente apenas em 2013, mas a espera valeu a pena. O álbum saiu ainda melhor que seu antecessor. A banda demonstra uma percepção ainda mais apurada sobre a própria proposta, e dá mais atenção ao lado pesado da coisa. Por isso o Death Metal está mais presente, assim como os vocais guturais (que estão melhores), em casamento perfeito com o lado clássico. Disco muito mais maduro e coeso, e o mais indicado para quem se interessar em conhecer esse som venezuelano de respeito.
Esteja certo de que, se você gosta de Symphonic Metal e Música Clássica, a experiência será positiva. Todos os instrumentos clássicos têm seus momentos, mas tem que prestar atenção. Quando uma banda é de um país inesperado e dota de muita qualidade, ela sempre impressiona. E nesse caso, é melhor ainda ver que tanta classe é de um país vizinho do nosso! Pode ser que de primeira você não ache tão grandioso assim, por isso é recomendável repetir os discos outras vezes, e principalmente ouvir alto. É som sul-americano! Aqui embaixo também se faz música de qualidade!


 Violent Whispers (2008)

01 - Intro
02 - Haunting Memories
03 - Dead Inside
04 - Whispers...
05 - Elén (Hope In Darkness)
06 - Dragon's Grail
07 - The Trickster
08 - Mutilation of Night Flowers
09 - Fortuna Imperatrix Mundi (Carmina Burana)
10 - The Beginning and The End

Download

 The Lake (Demo) (2009)

01 - The Lake
02 - A Warning and A Dream
03 - Nightmare
04 - In The Asylum


 The Devil's Playground (2013)

01 - Reminiscence
02 - A Warning and A Dream
03 - The Lake
04 - In The Footsteps of Fear
05 - Going Home
06 - Nightmare
07 - In The Asylum
08 - Unending Sorrow (Demise & Release)
09 - The Grove
10 - Allegretto: Beethoven's 7th Symphony
11 - Dies Irae: Mozart's Requiem


Nenhum comentário:

Postar um comentário