Social Icons

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Nordheim - Discografia

União de elementos extremos com elementos melódicos e folclóricos. Essa mescla tem ganhado espaço entre os bangers, e é interessante como esse underground é vasto, cheio de bandas merecedoras de notoriedade. Unir um ou dois elementos é relativamente tranquilo e comum, ou até ter "aquela" música fora do estilo, explorando outras áreas. Mas unir diversos ingredientes metálicos dentro de uma mesma banda e suas músicas de forma integral, é algo realmente difícil. Porém, bandas como o Nordheim e outras que seguem essa vertente caótica conseguem tal feito, unindo elementos de Black MetalDeath MetalFolk MetalPower Metal e Viking Metal. Umas são fodas, outras nem tanto, mas ainda assim é interessante, e esses canadenses são foderosos no que fazem.
Essa horda de trolls nasceu em Quebec, no Canadá, no ano de 2006, após a saída de Waraxe (vocal e guitarra) e Benfok (baixo e backing vocal) da também excelente banda Valknacht, que estava com apenas um ano de vida, e seguia já essa mesma linha. Imediatamente começaram a caçar integrantes para completar o line-up. Pouco depois, o guitarrista Fred, o baterista Phil Poul e o tecladista Thom chegam à banda, e os trabalhos de composição de músicas tomam início.
Sai em outubro de 2009 a primeira amostra de como viria a ser o debut: a demo "Demo 2009", contendo três faixas ("Nightborn", "Sailing The Drakkar" e "Old Crazy Man", respectivamente). Todas viriam a fazer parte do disco subsequente.
Um ano mais tarde, enfim veio o fodástico debut. Lançado de forma independente, "Lost In The North" é um expoente não apenas do que o gênero é, mas de um álbum muito bem criado. O que é feito é a união de um vocal gutural rasgado de Black Metal, com guitarras cujos riffs são tipicamente Death Metal (ou Melodic Death) com algumas pitadas de Black Metal e o melodismo do Power Metal.Outros elementos são a bateria participativa, e os teclados que dão aquela atmosfera Folk que lembra o que chamam bem-humoradamente de "Forró Metal", pois soam como acordeão. Os teclados também fazem a base mágica e épica das canções, complementando um som que já é completamente misturado. Isso sem se esquecer, é claro, dos coros típicos do Viking Metal em alguns trechos. É uma pena que eles só viriam a ser melhor explorados no próximo álbum. De qualquer forma, álbum foda do início ao fim, bastante levado pelo lado Folk por meio dos teclados e instrumentos de sopro, que aliados às guitarras, pendem mais esse trabalho para o lado melódico. Por ser curto (apenas 42 minutos), até te obriga a ouvir outras vezes!
Em 2011 ocorreu a única baixa na formação até o momento, em decorrência da saída do baterista Phil Poul. Sua vaga foi ocupada por Lucas Biron, um rapaz também talentoso e competente que viria a acrescentar muito. Com isso, a horda voltou ao estúdio para pôr as mãos na massa que modelará seu próximo álbum. Nesse meio tempo, um contrato com a Maple Metal Records foi assinado.
É aí que chega, em abril de 2013, o segundo e novamente maravilhoso álbum de estúdio, intitulado "Refill". Pode-se dizer que essa obra trilha caminho semelhante ao seu antecessor devido ao fato de que não perderam identidade, porém, exploram um lado contrário ao anterior: o lado agressivo é mais explorado e aparente, enquanto "Lost In The North" é um tanto mais melódico. O mais notável é que os riffs das guitarras passaram a apresentar o crespo Black Metal, aliado a outros riffs de Death Metal, e os mais cadenciados soam como Power Metal. A guitarra solo também aparece mais vezes, trazendo seus lentos solos até 'fora de hora', pois servem como base. Interessante como, ao mesmo tempo em que a base ficou mais agressiva, o solo ficou mais melódico. É simplesmente impossível não mencionar a forma do recém-chegado Lucas Biron de tocar bateria. Eles simplesmente estupra com as baquetas. É energético, faz viradas, é incansável. Isso só veio a complementar belamente a base Extrema criada pelas guitarras, através das porradas do Black Metal, que algumas vezes abrem espaço para o Death Metal. Os teclados participam, mas mais como base (apesar de se destacarem em outros trechos), e os heróicos coros vikings se fazem bastante presentes, tornando as músicas mais charmosas, épicas e convidativas.
Sem dúvidas, o grupo executa sua proposta musical com competência e autoridade. Fazem de forma bela toda essa união de elementos, criando o que pode ser considerado um 'caos organizado'. Por sua alta qualidade e músicas autoridade, são merecedores dos ouvidos dos que gostam bastante da vertente, bem como dos ouvidos de curiosos e daqueles que simpatizam.


 Lost In The North (2010)

01 - Lost In The North
02 - Nightborn
03 - Far Away
04 - Beer Metal Trolls and Vomit!
05 - Promise To The Gods
06 - Glorious March
07 - Sailing The Drakkar
08 - Old Crazy Man
09 - Beyond The Howling North
10 - Blessing From The Stars


 Refill (2013)

01 - Ov Frost and Ice
02 - Mask of The Banned One
03 - Get Drunk Or Die Tryin'
04 - Watch The Raven Die
05 - Under A Crying Storm
06 - The Grief
07 - Winter's Dawn
08 - As Shadows Pass By
09 - Soulblood


Nenhum comentário:

Postar um comentário