Social Icons

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Tenochtitlan - Discografia

Ver bandas oriundas de certos países inóspitos e improváveis fazendo Metal de qualidade e introduzindo elementos de sua própria cultura na sonoridade é algo lindo e empolgante! Igualmente interessante é ver bandas de outros países, muitas vezes "incompatíveis" (pois a realidade natural é completamente diferente), se preocupando em fazer música que homenageie determinado povo ou período histórico, recente ou antigo. Vemos ambos os casos com alguma frequência, e o resultado muitas vezes é positivo.
É legal quando um músico é culto, se interessa por História e pelas diversas culturas de todos os tempos do planeta, e passa essa paixão para sua musicalidade. Sempre sai algo fiel e bem feito, independente do gênero principal executado. Quando esse músico viaja o mundo com frequência para sentir a pluralidade cultural, e sentir o interesse ferver, certamente, é muito melhor. Com essas características, conheço poucos músicos como o genial multi-instrumentista russo Valery Androsov, profissionalmente conhecido como Senmuth.
Muitos ficam impressionados com a extensão da discografia solo desse cara, afinal, é um dos músicos que têm o maior número de discos lançados na carreira solo na história. Eu também ficava, quando não estava acostumado a admirar o tamanho dela. Se você é um dos que se impressiona com isso, seria interessante parar pra pensar se ele tem projetos paralelos. Pensou? Sim, ele tem sim, e essa delícia aqui chamada Tenochtitlan é um deles.
O gênio Senmuth perde o interesse em projetos com bastante facilidade. Exatamente isso, aliado à sua incrível facilidade para fazer música (de alta qualidade e muito detalhadas, diga-se de passagem), o leva a ter uma carreira solo livre, além de trabalhar em projetos paralelos, para satisfazer outros interesses, temporários ou não.
No ano de 2004, em Moscou, na Rússia, Senmuth aliou-se a outros músicos para dar início a um projeto musical, algo incomum para ele, que gosta de trabalhar sozinho. Contudo, a proposta musical é bem familiar para o líder: os impérios da América Central e os povos do período pré-colombiano. Com isso, recrutou Brutal Harry para cuidar da guitarra e programação, Lefhander para ocupar a guitarra e vocal gutural rasgado e Eresh para cantar limpo e tocar os instrumentos de sopro, enquanto ele próprio se fez responsável pela guitarra, programação, e também vocal gutural rasgado. Assim nasceu o Tenochtitlan, nome dado em homenagem à Tenochtitlán, a mítica "metrópole" do Império Asteca, fundada em 1325 e conquistada pelos espanhóis no século XVI, se transformando onde hoje é a Cidade do México. A cidade era localizada em uma ilha no meio do lago Texcoco, sendo uma das três cidades aliadas que compunham a Tríplice Aliança, de certa forma equilibrando pacificamente uma forma de poder político. As outras duas cidades eram Tlacopan e Texcoco. Quem teve infância e jogou Age of Empires II: The Conquerors Expansion, com certeza sentiu uma nostalgia ao ler esse pedacinho de história nessa postagem.
Costumo dizer que o Senmuth tem, em sua carreira solo, uma musicalidade que a palavra "estranha" define bem. Talvez sua genialidade, seus interesses e o fato de ser autodidata influenciem de forma singular a forma como faz música. Dificilmente algo se parece com ele. Senmuth é Senmuth. Sem dúvidas, essa "estranheza" é passada também para o Tenochtitlan. Porém, enquanto sua carreira solo é mais aberta e composta por muitos discos passíveis da não apreciação do público headbanger, acredito bastante que o mesmo não vá ocorrer com essa banda, por ser mais fechada, um pouco mais Metal, e com temática bem centralizada e definida. Afinal, na carreira solo, o russo mistura uma porrada de elementos, preparando uma verdadeira salada. Aqui não, aqui as coisas são melhor definidas.
O Tenochtitlan é considerado um projeto virtual, pois as canções não foram compostas presencialmente, devido à distância entre os membros, acrescida por suas ocupações pessoais e profissionais. Todavia, isso não parece ter atrapalhado o desenvolvimento dessa belezinha que merece a atenção de todos, mesmo que ainda necessite carinho e compreensão do que está sendo feito por parte de quem não está acostumado com a estranha e obscura sonoridade Senmuth.
Você deve ouvir tendo em mente que a sonoridade executada é principalmente o Folk Metal, que se apresenta através dos diversos tipos de instrumentos tradicionais astecas e incas possíveis, principalmente de sopro, como a quena, a flauta doce, o berimbau de boca, a flauta peruana, o domra, tarka, entre outros. Contudo, esse Folk é empanado por um fenomenal Dark Ambient, tornando a atmosfera negra, espessa, densa, esmagadora. Isso ainda é complementado por elementos de Doom Metal, como cereja sobre o bolo. A fusão desses elementos cria um som ambiental, noturno, épico, e relaxante. Os vocais são alternados entre o limpo (que canta de forma mais nasal, lembrando de perto a vocais desérticos do Oriente Médio) e o gutural que pende entre fechado e rasgado. É áspero. Soa de forma bastante tribal. Todas as letras são cantadas em russo, mesmo que algumas faixas tenham nomes em inglês, maia ou nahuatl.
O primeiro álbum chegou já em 2005, sob o título "Эпоха Пятого Солнца", também tendo lançamentos com o nome "Epoch of The Sun". Esse e o próximo, "Chac Och-Ut", de 2006, são bastante assemelhados devido à forte atmosfera obscura que sobrecarrega suas redondezas. Porém, o terceiro disco "Tezcatl" se mostra mais aberto, com um Folk mais solto, diversificado e melhor trabalhado, e ainda com maior duração. Ao meu ver, o melhor disco, e também o que tem boa probabilidade de quem não conhece se apegar mais.
O Tenochtitlan havia passado, nos anos seguintes, por um hiato. A quebra do silêncio ocorreu em 2010, com o lançamento da single de três faixas "Нуаль". Poderia-se esperar, pela rapidez com que os músicos trabalham, um álbum nos meses seguintes, mas não foi o que ocorreu. O ótimo álbum "Сотворение Мира" saiu apenas em 2012, dando uma bela resgatada no épico e pesado ambientalismo executado nos primeiros discos.
Então aqui está mais uma discografia encabeçada pelo russo Senmuth, mais uma banda diferente de muita coisa que se ouve por aí, e mais uma excelente discografia. É o projeto do Senmuth que mais gosto! Acredito ter maior potencial agradar do que sua carreira solo, principalmente ao povo que curte um Shoegaze, Dark Ambient ou vertentes viajantes do tipo. Ouçam de cabeça aberta, e deliciem-se com essa maravilha épica e abundante em riqueza!


 Эпоха Пятого Солнца (Epoch of The Fifth Sun) (2005)

01 - Venus Rising (Intro)
02 - Ветры Солнца
03 - 1 366 560
04 - Тайны Пакаля…
05 - Ye Cham-El A-Em-Aan
06 - Теотиуакан
07 - Утренние Призраки Тикаля
08 - Дороги Ведут в Копан
09 - The Hymn of Huitzilopochtli


 Chac Och-Ut (2006)

01 - Och Vitz Ngui P'i Xo-xot
02 - Астлан: Путь Из Тёмного Камня
03 - Can Quitlaz In Huelic Xochimeh
04 - Место, Где Рождаются Боги
05 - Художник Тольтекский
06 - Эпоха Ягуара
07 - Haa Ki-Um U Poc Av
08 - Tsompantly
09 - Четыре Стороны Рая
10 - Ch'e'nal


 Tezcatl (2007)

01 - Nemiliztli & Miquiztli
02 - Teokalli
03 - Ix Chel
04 - Печаль Тонатиу
05 - Fatal Xihupohualli
06 - Lament Ol'antay
07 - Kal'Yal'Yapi
08 - Inti Raymi
09 - Haa-Ma Chah'-Been-Tzil
10 - Повелитель Майяпана
11 - Xayacatl
12 - Ayhara Killa
13 - Quetzali Dance
14 - Mihtohtli Citlalin
15 - Падение Ахау Ягуара
16 - Chanin Tiqsimuyu
17 - Tutamantan
18 - Icxiohtli
19 - Aymarkayi
20 - 2012


 Нуаль (Single) (2010)

01 - Тлальтекутли
02 - Сотворение Мира
03 - Нуаль


 Сотворение Мира (2012)

01 - Тлальтекутли
02 - Начало
03 - Сокол и Змей
04 - Нуаль
05 - Похороны Монтесумы
06 - Цветок Иш-Чель


Nenhum comentário:

Postar um comentário