Social Icons

sábado, 9 de novembro de 2013

Lingua Mortis Orchestra - Discografia

Não é nem um pouco difícil para os fãs do Rage associar o nome Lingua Mortis à banda. Isso é compreensível, afinal, é o nome associado ao conjunto de orquestras que trabalharam com o grupo ao longo dos álbuns desde o "Lingua Mortis", de 1996, o disco que pôs o Rage como banda pioneira na introdução de orquestras no meio metálico. Com base nessa obra, o guitarrista e tecladista Victor Smolski, o vocalista e baixista Peavy Wagner e o baterista André Hilgers tiveram a brilhante ideia de promover uma continuação daquele antigo trabalho! Dessa forma, surgiu em 2013 na Alemanha o maravilhoso Lingua Mortis Orchestra!
Seu debut, lançado no mesmo ano, é uma verdadeira obra-prima do Metal Operístico. "LMO" trás o forte Heavy Metal do Rage com belíssimos arranjos orquestrais desenvolvidos em conjunto com orquestras da Espanha e Rússia. Essa fusão deu origem a um álbum que satisfaz aos dois extremos ao mesmo tempo: o Metal se faz muito bem presente, como deve ser, ao mesmo tempo em que o lado Erudito também é latente e nada tímido. Todos os setores da musicalidade remetem à fusão desses gêneros tão distantes, mas ainda assim, tão próximos, de modo magistral: o costumeiro vocal de Peavy Wagner, mais agressivo, rasgado, Metal, em dueto com as lindas vozes de Dana Harnge e Jeannette Marchewka, Eruditas. Guitarras tunadas e bateria certeira em sintonia com a beleza e poder das orquestras. Como aperitivo adicional, Henning Basse (ex-Metalium) também se faz presente no backing vocal das canções. A classe é tanta que você se sente como se estivesse ouvindo ao concerto de uma orquestra, porém, com o adicional das guitarras!
Certamente, o álbum é um dos maiores expoentes do que pode ser chamado uma fusão perfeita que se pode encontrar por aí. Sempre gostei muito da mescla, super presente no Symphonic Metal, ou até mesmo no Power Metal, essa fusão entre um gênero musical rotulado como rebelde e agressivo com outro distante, relacionado a algo estudado e metódico. Dificilmente encontramos um trabalho em que os dois opostos trabalhem tão juntos, de mãos dadas de forma tão firme. Normalmente ou um lado é mais forte, ou o outro, ou cada gênero se manifesta em um momento específico e separado das canções. Mas aqui não! Se procura algo potente do ramo, o Lingua Mortis Orchestra cai como uma luva, e soa como seda aos ouvidos. Entretanto, não podemos nos esquecer que a musicalidade é complexa. Varia de pessoa pra pessoa, naturalmente, mas eu não dissimilei bem de primeira. Precisei de um pouco de insistência até tudo ficar mais claro e a maestria do trabalho se revelar para mim. Portanto, caso não gostem de primeira, dêem uma insistida que com certeza vai valer a pena! É magnífico do início ao fim!


 LMO (2013)

01 - Cleansed By Fire
02 - Scapegoat
03 - The Devil's Bride
04 - Lament
05 - Oremus
06 - Witches' Judge
07 - Eye For An Eye
08 - Afterglow
09 - Straight To Hell (Orchestral Version)
10 - One More Time (Orchestral Version)


Nenhum comentário:

Postar um comentário