Social Icons

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Michael Kiske - Discografia

O maior nome do Metal Alemão? Fiquei refletindo sobre isso e cheguei a conclusão que, na minha modesta opinião, nenhum outro músico germânico é tão importante quanto Michael Kiske. O cara foi o grande responsável pela grande popularização do estilo em seu país.
Michael nasceu no dia 24 de janeiro de 1968, em Hamburgo. No ano de 1986, gravou uma demo-tape com a banda Ill Prophecy e logo em seguida ingressou no Helloween. Ainda que alguns possam reconhecer o bom trabalho de Andi Deris à frente da banda, a era Kiske é insuperável, algo que pode ser constatado por álbuns como Keeper Of The Seven Keys Part I (1987) e Keeper Of The Seven Keys Part II (1988). Durante a turnê desse último, Kai Hansen (guitarra), deixou a banda.  Logo em seguida, o Helloween passou por um litígio envolvendo a utilização de seu nome e só voltou a lançar um álbum em 1991, com Pink Bubbles Go Ape. O álbum foi uma decepção e um fracasso comercial, assim como seu sucessor Chameleon (1993), o que levou Kiske a deixar o Helloween.
Surgiram rumores que Kiske iria para o Iron Maiden, já que Bruce Dickinson havia partido para a carreira solo. Seria foda se tal mudança tivesse se concretizado, mas como sabemos, a história não foi bem assim, e para o lugar de Bruce o escolhido foi Blaze Bayley.
Em 1995, Michael Kiske aparece no álbum Land Of The Free do Gamma Ray, banda liderada pelo seu ex-companheiro de Helloween, Kai Hansen. Kiske participa da faixa título e de Time To Break Free. A participação do vocalista no álbum é bastante significativa e demonstrou que havia vida fora do Helloween, sendo que muitos criaram uma enorme expectativa de Michael permanecesse no Gamma Ray como um membro fixo, o que acabou não acontecendo.
Já em 1996, Michael deu início à sua carreira solo, com o lançamento do álbum Instant Clarity, sendo acompanhado pelos músicos Ciriaco Taraxes (guitarra), Jens Mencl (baixo) e Kay Rudi Wolke (bateria e guitarra na faixa Time's Passing By). No álbum, além dos vocais, Kiske auxilia no trabalho das guitarras, além de tocar teclado. Há ainda as participações mais do que especiais dos guitarristas Kai Hansen (nas faixas True To Your Self, New Horizons e em Thanx A Lot) e Adrian Smith do Iron Maiden (nas faixas The Calling, Burned Out e também em New Horizons) e, ainda, do flautista Norbert Krietemeyer.
Para se iniciar a audição do álbum, a primeira coisa é esquecer tudo o que o cara fez com o Helloween. Aqui é Michael Kiske sendo Michael Kiske, sendo que o músico não se esforça nenhum um pouco para relembrar o som de sua ex-banda, prova disso são as inúmeras baladas que cercam o trabalho, como a ótima Always. É claro que em linhas gerais temos um ótimo álbum de Heavy Metal, como comprovam as faixas The Calling, que é fantástica em todos os aspectos, New Horizons, que talvez seja a mais próxima do Helloween e a emocional Do I Remember A Life?, que mostra o lado mais "careta" da Michael, abordando uma temática espírita, além de ser uma boa mostra de todo o seu talento e versatilidade. Enfim, esse é daqueles álbuns que mais de quinze após o seu lançamento, não se consegue explicar o fato de não ter sido um sucesso. É um disco clássico, que mostra Michael em sua melhor forma, cantando de uma maneira que dá gosto de ouvir. Além disso, não é toda hora que temos um dueto composto por Hansen e Smith.
Em 2006, Instant Clarity foi relançado contendo algumas faixas inéditas.
Se o Michael tivesse persistido em explorar o trabalho do seu disco de estréia, provavelmente teríamos outros clássicos do Heavy Metal, mas o vocalista não consegue sossegar. Assim, em 1999, veio o álbum Readiness To Sacrifice, disco que afasta-se totalmente do Metal, com canções mais suaves e sinfônicas, sendo um trabalho difícil de digerir até para os fãs. Ouça Where Wishes Fly e veja se ela não é uma daquelas musiquinhas que tocam diariamente nas FMs. Não é nenhum absurdo rolutar o álbum no Pop Rock, e desses bem ruinzinhos.
Buscando novas mudanças, em 2003, o vocalista inicia o projeto SupaRed, com o intuito de levar a carreira em uma nova banda. O projeto rende apenas um álbum, homônimo, e acaba dissolvido.
Em 2005, é criado outro projeto, o Place Vendome, que consegue uma boa repercussão e seguiu ativo.
Em 2006, vem o terceiro disco da carreira solo, denominado Kiske. Em tal álbum, Michael deixou claro que iria fazer o som que gostava, e mais uma vez temos um som suave e sinfônico, com influências de Folk e até de Música Country. Enfim, se você não dormir até o final de audição, poderá observar que o domínio que Michael tem de sua voz é incrível e que sua potência vocal continua a mesma (vide a faixa All-Solutions), e que o talento do mesmo acaba desperdiçado em discos como esse.
De qualquer forma, fica aqui o respeito pela coragem do músico em fazer um trabalho tão pessoal, sem se importar com a reação das pessoas.
Estava claro que Michael queria se desvincular totalmente do Heavy Metal e principalmente do Helloween. Estava? Quer dizer, pelo menos era o que parecia.
Como o Kiske não sossega, em 2008, o músico veio com o álbum Past In Different Ways, que, como o nome sugere, é uma releitura de clássicos dos tempos de sua antiga banda.
Muita gente torceu o nariz para tal lançamento, pois o mesmo soou oportunista, além de ser um verdadeiro sacrilégio, fazer versões acústicas de clássicos eternos do You Always Walk AloneWhe Got The Right e A Little Time. É claro que o trabalho não é a melhor coisa do mundo, mas a voz de Kiske ainda se destaca neste disco que foi bastante criticado na época de seu lançamento, algo que deve ter passado despercebido pelos caras do Helloween que logo no ínicio de 2010, lançaram o "duvidoso" Unarmed, que acabou repetindo o mesmo erro de Kiske em Past In Different Ways, ou seja, mexeu naquilo que deve ser eternamente irretocável. Ainda assim, entre o álbum de Kiske, pode ter todos os defeitos, mas dá de 10 a 0 em Unarmed.
O vocalista deu um tempo em sua carreira solo, mas segue com o Place Vendome e também com o Unisonic, esse sim um projeto muito foda levado ao lado de Kai Hansen.
Se Kiske tivesse focado naquilo que sabe fazer melhor, com certeza seria ainda maior do que é. Mas eu tenho certeza que o cara é um artista realizado, pois fez questão de expor a sua arte e suas idéias, sendo um músico verdadeiro, algo que deve ser respeitado.


 Instant Clarity - 1996

01 - Be True To Yourself
02 - The Calling
03 - Somebody Somewhere
04 - Burned Out
05 - New Horizons
06 - Hunted
07 - Always
08 - Thanx A Lot!
09 - Time's Passing By
10 - So Sick
11 - Do I Remember A Life
12 - A Song Is Just A Moment

Download

 Always (EP) - 1996

01 - Always
02 - The Calling
03 - Rock 'N' Roll's Dead
04 - When You're Down On Your Knees That's When You're Closet To Heaven


 The Calling (EP) - 1996

01 - The Calling
02 - Somebody Somewhere
03 - Rock 'N' Roll's Dead
04 - When You're Down On Your Knees That's When You're Closet To Heaven


 Readiness To Sacrifice - 1999

01 - Could Cry
02 - Ban' em
03 - Philistine City
04 - Crosstown
05 - Where Wishes Fly
06 - Watch Your Blue
07 - Out Of Homes
08 - It
09 - Easy
10 - Shadowfights


 Kiske - 2006

01 - Fed By Stones
02 - All - Solutionns
03 - Knew I Would
04 - Kings - Fall
05 - Hearts Are Free (Corinna Wolke - Harmony-Voice)
06 - The King Of It All (Hanmari Spiegel - Violine-Solos)
07 - Sing My Song
08 - Silently Craving
09 - Truly (George Spiegel - Trombone, Corinna Wolke - Harmony-Voice)
10 - Painted (Martin Tingvall - Piano-Bits)
11 - Sad As The World


 Instant Clarity (2006 Version) - 2006

01 - Be True To Yourself
02 - The Calling
03 - Somebody Somewhere
04 - Burned Out
05 - New Horizons
06 - Hunted
07 - Always
08 - Thanx A Lot!
09 - Time's Passing By
10 - So Sick
11 - Do I Remember A Life
12 - A Song Is Just A Moment (Original Japan Bonus Track)
13 - I Don't Deserve Love (Bonus Track)
14 - Sacred Grounds (Bonus Track)
15 - Can't Tell (Bonus Track)


 Past In Different Ways - 2008

01 - You Always Walk Alone
02 - Whe Got The Right
03 -  I Believe
04 -  Longing
05 - Your Turn
06 -  Kids Of The Century
07 - In The Night
08 - Going Home
09 - A Little Time
10 - When The Sinner
11 - Different Ways



Um comentário:

  1. Acho impossível dizer que esse ou aquele é o melhor, e sim os melhores, e o Michael Kiske está entre eles...

    ResponderExcluir