Social Icons

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Ex Deo - Discografia

Neste dia glorioso, sob ordens do Senado e em nome de Júpiter, eu comando a vocês que baixem esta honrosa discografia concedida pelos Pais Fundadores. Baixem por suas esposas. Baixem por seus filhos, e pelo povo da República! Aqueles que ignorarem serão retribuídos com a morte, e os que porventura não gostarem serão crucificados, e suas mulheres e filhos atirados da Rocha Tarpéia! É assim mesmo que vai ser, afinal, um pedacinho do maior império que este mundo já viu está aqui nessa postagem!
Nome, capas, letras, até mesmo a vestimenta dos músicos; Nada disso deixa dúvidas sobre o tema da banda: o glorioso, opressor, temido e dominador Império Romano. Claro, isso é transportado também para a atmosfera das músicas, onde se sente um pesado ar romano, épico, somado com letras de pura podridão, dominação, conquista, orgulho e honra, interpretadas por um vocalista que se sente parte da legião e canta com raça, com vontade, na entonação que a passagem exige! Acho isso interessantíssimo, pois os caras abordam diversas histórias do Império Romano de uma forma única e à altura da loucura e da sede por sangue dos romanos. Eu, como fã do "Metal Arte", sou apaixonado pelo que esses caras fazem!
Ex Deo nasceu no ano de 2008 em Montreal, no Canadá, apenas como um projeto artístico de Maurizio Iacono, vocalista do Kataklysm. Inspirado e muito envolvido na história do Império Romano, acabou que o Ex Deo, que significa "De Deus" em latim, ganhou um caráter mais sério, se tornando um projeto sólido. Apesar de toda a competência e seriedade da banda, ela é apenas uma manifestação artística em forma musical. Portanto, apesar de fazer shows, não é prioridade, uma vez que o Kataklysm está em pauta. A exemplo de sua banda principal, Maurizio Iacono também executa Death Metal em seu projeto, mas no que diz respeito a rótulos, pode-se acrescentar "Epic" antes, pois é exatamente isso que a sonoridade é: épica. É sensacional, e quem não conhece, não tem noção disso!
Contando com Stéphane Barbe e Jean-François Dagenais nas guitarras e Max Duhamel na bateria, que são seus parceiros no Kataklysm, além do baixista François Mongrain que é membro ao vivo da banda principal, o projeto rapidamente tomou forma. A partir de 2009 as novidades começaram a surgir, tudo no mesmo mês, começando pela single "Romulus" que chegou no dia 2 junho. Ela contém duas faixas, a auto-intitulada e "Legio XIII". Não acrescentei à discografia porque essas músicas são incluídas no debut, então é só baixar tudo junto.
Em seguida, logo no dia 5 de junho, outro disco foi lançado, mas como forma de promoção: o split ao lado do fodástico Pirate Thrash Metal/Crossover do Swashbuckle, contendo as faixas "Romulus" e "Cruise Ship Terror". Quem curte uma temática pirata e também é thrasher, com certeza vai se apegar ao Swashbuckle!
Semanas mais tarde, no dia 19 de junho, o fruto definitivo amadureceu na árvore da inspiração: o debut "Romulus" foi lançado com poder, via Nuclear Blast. Trata-se de uma foderosa obra com uma hora de duração de massacre romano. Esse disco é mais palhetado, mais porradeiro, mais Death Metal mesmo, onde a forte e pesada distorção das guitarras e a violência da bateria se destacam, mas ainda assim sem deixar a atmosfera épica de lado. Admito que nas primeiras vezes que a pessoa ouvir, pode ser um pouco massante a partir da metade, mas ouvindo mais vezes e consequentemente compreendendo e decorando as músicas, passa a ficar liso e muito, muito mais fodaço do que já é de primeira! Tenho em meu canal no Youtube o vídeo-clipe da faixa-título traduzido, quem quiser dar uma conferida, só clicar aqui. Outros pontos interessantes são as participações especiais, que compreendem os guitarristas Obsidian C. (Keep of Kalessin) e Karl Sanders (Nile) nas faixas "Cruor Nostri Abbas" e "The Final War (Battle of Actium)", respectivamente, bem como Nergal (Behemoth) no vocal da "Storm The Gates of Alesia". Em suma, um disco sensacional, um pontapé de partida com classe! Quem conhecer os caras por aqui pode começar por "Romulus", que fala sobre o mito de criação do Império Romano, "Storm The Gates of Alesia", que fala sobre a conquista de Júlio César sobre a Gália, ou por "Invictus", que fala sobre o poder e malícia de Júlio César.
Felizmente, esse era apenas o primeiro assalto. O exército voltaria três anos mais tarde, em 2012, com uma verdadeira obra-prima, dessa vez através da Napalm Records. Seu nome é "Caligvla"! O primeiro ponto que nota-se nessa pérola é que os sintetizadores estão muito melhor trabalhados e maduros, e que (agora sim) o peso e destruição das seis cordas e a sinfonização estão perfeitamente casados. Nenhum dos dois deixa a desejar, sintetizando uma fusão perfeita! O aprimoramento de sua musicalidade resultou em verdadeiros diamantes do início ao fim do disco. Alguns como, aconselho a quem começar a ouvir por esse disco, a faixa-título "Caligvla" (clique aqui para ver o vídeo-clipe traduzido no meu canal no Youtube), que, claro, fala sobre o amado (consequentemente, temido) Gaius Julius Caesar Augustus Germanicus, o terceiro imperador de Roma e o primeiro a ser assassinado, ou então "Burned To Serve As Nocturnal Light", que fala sobre a loucura de Nero ao atear fogo na própria Roma (quem nunca leu "Quo Vadis?", né?), "Divide Et Impera", que aborda um ponto de vista de honra e orgulho de um soldado por pertencer ao Império Romano, ou "Once Were Romans", que enaltece as conquistas e a importância de Roma em toda a sua história mesmo após a queda frente aos bárbaros... Todas as faixas merecem destaque, na real. Mas o alto nível não para por aí; novamente as participações especiais se fazem presentes, sendo elas o guitarrista Francesco Artusato (All Shall Perish) na faixa "Pollice Averso (Damnatio At Bestia)" e os vocalistas Stefan Fiori (Graveworm), Mariangela Demurtas (Tristania) e Seth Siro Anton (Septicflesh) nas faixas "Per Oculus Aquila", "Divide Et Impera" e "Pollice Averso (Damnation At Bestia)", respectivamente. Enfim, um disco magnífico e perfeito em todos os sentidos!
Infelizmente, isso é tudo o que o divino Ex Deo lançou, pois em fevereiro de 2014, Maurizio Iacono anunciou pelos meios oficiais da banda a hibernação por tempo indeterminado do projeto, deixando um ar de fim definitivo ao dizer que a probabilidade de "Romulus" e "Caligvla" serem os únicos álbuns é alta. Uma pena! Eu esperava que mais e mais lançamentos se seguissem, pois esses caras abusavam aqui da mesma competência que aplicavam no Kataklysm.
De qualquer modo, os trabalhos estão aí para serem apreciados, e devido à belíssima e esmagadora atmosfera sinfônica e ao massacrante Death Metal, acredito que a banda agrade tanto aos fãs de algo mais melódico quanto aos algo mais porradeiro. O que é fato é que deixar essa discografia passar batida é pecado capital, e resultará em crucificação. Façam como Júlio César ao baixar: veni, vidi, vici!


 Romulus/Cruise Ship Terror (Split) (2009)

01 - Ex Deo: Romulus
02 - Swashbuckle: Cruise Ship Terror


 Romulus (2009)

01 - Romulus
02 - Storm The Gates of Alesia
03 - Cry Havoc
04 - In Her Dark Embrace
05 - Invictus
06 - The Final War (Battle of Actium)
07 - Legio XIII
08 - Blood, Courage and The Gods That Walk The Earth
09 - Cruor Nostri Abbas
10 - Surrender The Sun
11 - The Pantheon (Jupiter's Reign)


 Caligvla (2012)

01 - I, Caligvla
02 - The Tiberius Cliff (Exile To Capri)
03 - Per Oculos Aquila
04 - Divide Et Impera
05 - Pollice Verso (Damnatio Ad Bestia)
06 - Burned To Serve As Nocturnal Light
07 - Teutoburg (Ambush of Varus)
08 - Along The Appian Way
09 - Once Were Romans
10 - Evocatio: The Temple of Castor & Pollux


Nenhum comentário:

Postar um comentário