Social Icons

domingo, 14 de abril de 2013

Guilt Machine - Discografia

AyreonStar OneStream of PassionAmbeon... quem conhece e gosta desses trabalhos do mestre multi-instrumentista holandês Arjen Anthony Lucassen concorda com meu pensamento que tenho bastante costume de expressar, de que nada de ruim sai da brilhante mente desse cara.
Guilt Machine é mais um projeto extraído de sua mente, mas já criado com um propósito e objetivo diferentes. O projeto teve início em 2009, portanto, já com um Arjen consagrado e glorificado, principalmente pelo que foi feito no seu projeto Ayreon, que na minha opinião, é o melhor Metal Opera existente. Seu trabalho mais recente havia sido o álbum "01011001" por meio daquele projeto, lançado em 2008, um trabalho que me faltam palavras para descrever o quão fantástico é, tanto musicalmente quanto liricamente. Contudo, contrariando a opinião de fãs como eu, a mídia fez algumas críticas negativas dizendo que o disco não trazia nada de inovador, desanimando o Arjen e fazendo com que colocasse o Ayreon em hiato até que novas ideias surgissem em sua cabeça enquanto trabalha em outros projetos. Daquele ponto em diante, o Guilt Machine foi o primeiro de suas tentativas mais diferentes... mais, digamos, distraídas.
Arjen Anthony Lucassen é fortemente relacionado aos termos Metal Opera e Rock Opera, uma vez que é um gênio absoluto nessa modalidade de composição musical. Logo, é conhecido por trabalhar com vários músicos ao mesmo tempo. Mas esse não é o caso do Guilt Machine, que conta com uma formação restrita. Dessa vez, as canções são interpretados pela voz de um único vocalista; o desconhecido e de belíssima voz Jasper Steverlinck (Arid), que tem uma excelente voz para um Progressive Metal de qualidade como o Guilt Machine (que já havia trabalhado no Ayreon, cantando a faixa "Epilogue: The Memory Remains", última e inédita faixa do terceiro CD da compilação "Timeline", de 2008), enquanto o Arjen se limita a fazer backing vocals que dão um bela flashback "Ayreonaut", linhas de baixo, teclados e mandolim. Além deles, também se fazem presentes a guitarrista Lori Linstruth, que mora com o Arjen na Holanda e é também sua empresária, além de companheira em uma ex-banda, o Stream of Passion, e o baterista Chris Maitland (ex-Porcupine Tree).
Em março daquele ano de formação, o Arjen anunciou que os fãs poderiam enviar a ele materiais fonográficos contendo seus próprios pensamentos em sua língua nativa, acompanhados de uma tradução, para possível inclusão no projeto. Várias foram recebidas, eventualmente, muitas não foram utilizadas, mas muitas foram, inclusive uma passagem em português brasileiro, na última faixa, "Perfection?".
Há algumas coisas peculiares nos fundamentos projeto, pois o Jasper Steverlinck vem de uma banda de Alternative Rock e não tinha ideia de como o Progressivo era. Foi uma jogada de fé em seu talento por parte do Arjen, e que deu muito certo. Outro detalhe é que apesar de ser um projeto do Arjen e ele ser um grande compositor nato, principalmente de ficção-científica, ele não compôs nenhuma das letras nesse caso; quem o fez foi a Lori, pois ela havia sido requisitada pelo holandês para escrever uns rascunhos para ele gravar uns ritmos de voz, e acabou que ele se impressionou com o que ela produziu, pois ela era bem mais capaz do que ele de escrever letras abordando temas do tipo obscuramente enigmáticos com sentido aberto, levando a várias interpretações. Além disso, por ser fã das linhas melódicas compostas por ela nas guitarras, o Arjen se limitou a ser guitarra base e a deu liberdade para compôr os solos. A menor participação dele em seu próprio projeto nesse caso só mostra o quão maestro ele é, pois é notado no Ayreon, por exemplo, que ele sabe explorar o potencial dos músicos com quem trabalha, e isso, com certeza, também é feito no Guilt Machine.
Daí pra frente foi mole: um contrato com a Mascot Records foi assinado, desembocando no lançamento do fodástico "On This Perfect Day" no dia 23 de junho. O álbum é um tanto diferente do que o Arjen já tinha feito até então, apesar de seguir a linha de um exímio Metal Progressivo, inclusive no que se refere à duração das faixas, que são todas longas, com em torno de 10 minutos de duração, exceto "Leland Street" com 8 minutos e "Over" com 6. Ele atinge com perfeição a intenção do holandês: oscilar entre atmosferas densa e pesada, e melancólica, instrumentalmente falando. Seu sucesso é atingido também na forma lírica, pois a proposta era "explorar a destrutiva psicologia da culpa, do arrependimento e do mais negro dos segredos: os que escondemos de nós mesmos."
É um disco mais "fechado" de se ouvir, digamos assim. Um disco que são necessárias algumas audições para começar a compreender e viciar nas músicas, ao mesmo tempo em que não é de modo algum massante de se ouvir. O vocal de Jasper é fantástico, demonstrando perícia afiada e domínio absoluto nas passagens mais lentas, e quando necessário aumentar o tom, apesar de não dotar de uma voz exatamente potente nas notas altas (uma vez que ele vem de uma banda de Alternative Rock e nem sabia o que Prog Metal era), caíram de modo perfeito na sonoridade. Vide o refrão de "Green and Cream", por exemplo. Mas ele tem identidade, tem voz característica e um vibrette com uma rápida elevação de tom que dá mais vida às canções. As tais mensagens em diversas línguas diferentes são notadas ao longo de todo o álbum, dando um interessante clima de união entre as nações. De fato, um grande álbum, com o selo Arjen Anthony Lucassen de qualidade.
Atualmente o projeto encontra-se em status incerto. Nada está sendo feito para seu prosseguimento, apesar do Arjen já ter declarado definitivamente que existe a vontade dos músicos de lançar mais um álbum.
Sem dúvidas, o Guilt Machine é foda e agrada a quase qualquer fã do Arjen. Quem gosta de um Metal Progressivo mais obscuro, mais denso, ou tem curiosidade de sentir a experiência, pode se aventurar sem medo em sua viajante e profunda sonoridade. O fato é que é mais uma obra primorosa do Lucassen, na minha opinião.


 On This Perfect Day (2009)

01 - Twisted Coil
02 - Leland Street
03 - Green and Cream
04 - Season of Denial
05 - Over
06 - Perfection?


Nenhum comentário:

Postar um comentário