Social Icons

domingo, 31 de março de 2013

Haggard - Discografia

Haggard! O espetacular e cheio de classe Haggard! Uma banda ou uma orquestra? Eu diria que ambos! Pode crer que qualquer foto dos caras que você encontre, são todos membros oficiais. É uma das bandas que mais têm membros oficiais. Contudo, dificilmente as fotos estão sempre com o mesmo line-up, pois o movimento é constante. Difícil estabilizar uma formação que conta com pelo menos 17 membros, variando pra mais ou pra menos. Mas com certeza isso não afeta a qualidade do conjunto, que é literalmente cheio de classe, com letras cheias de cultura. Quem acompanhar as letras desses caras podem vir a aprender coisas realmente interessantes, como a vida do físico, matemático, astrônomo e filósofo Galileu Galilei.
Eu era moleque ainda quando ouvi o Haggard pela primeira vez. Foi paixão à primeira ouvida. É muita classe! É aquele tipo de banda que faz eu sentir um orgulho imenso do meu gosto musical. Sempre gostei de bandas que misturam Música Erudita em sua sonoridade. Mas tem um detalhe com o Haggard: tem vezes que eles não fazem uma mistura propriamente dita. Muitas vezes eles têm passagens de pura Música Clássica, e passagens de um forte Death Metal, obscurecendo o lado Clássico. Mas tem vezes que a fusão sai perfeita. Talvez isso seja a real proposta dos caras, ou talvez seja acidente de percurso mesmo. Há quem critique isso, mas eu não vejo problema nenhum, pois gosto de ambos os gêneros musicais. O charme do Haggard, além da sonoridade, são os vocalistas, que exibem diversas extremidades de vocal. Por exemplo, o vocalista e guitarrista Asis Nasseri tem um gutural literalmente cavernoso. Não é fácil ouvir um gutural tão fechado quanto o desse cara. Além dele, os vocais eruditos se fazem presentes como os sopranos de Susanne EhlersVeronika Kramheller e Manu, e o barítono de Nikolaus e tenor de Fiffi Fuhrmann, propiciando ao ouvinte uma experiência de transição para um teatro onde está acontecendo um concerto de Música Clássica, ao mesmo tempo em que a agressividade de um Death Metal de riffs arrastados também toma conta do jogo. Além dos dois gêneros, o Folk também se faz presente, responsável pelo lado medieval da sonoridade. O máximo que vou falar sobre o line-up é isso, pois com as constantes mudanças e as informações imprecisas sobre ele, fica traiçoeiro ter alguma certeza.
Haggard foi fundado no ano de 1989 em Munique, na Alemanha. A proposta musical inicial era de fazer apenas Death Metal. Tanto que os primeiros trabalhos (a demo "Introduction" de 1992 e o EP "Progressive" de 1994) seguem essa linha. Todavia, no meio do caminho pensaram maior e resolveram não mudar o direcionamento da sonoridade, mas complementá-lo. É aí que o Folk e a Erudita entram na jogada. Com essa proposta, as demos "Once... Upon A December's Dawn" e "And Thou Shalt Trust... The Seer" foram lançadas em 1995 e 1996, respectivamente, e o debut homônimo à demo anterior foi lançado em 1997. "And Thou Shalt Trust... The Seer" é mais tranquilo do que seus sucessores, uma vez que apresenta uma atmosfera bastante medieval com lindas canções, e uma orquestra a fim de tomar conta do espaço, meio que engolindo o Death Metal, apesar de ele se fazer presente, e de forma agressiva pelos vocais guturais.
Entretanto, o disco que alavancou o Haggard no cenário headbanger foi "Awaking The Centuries", o álbum seguinte, lançado no início de 2000. Aqui já dá pra você aprender algo de verdade, pois ele foi composto baseado nas profecias de Nostradamus. Sonoramente falando, ele é demais! O lado Death Metal se desenvolveu bastante, se apresentando de forma mais agressiva e constante, mas com um belo alinhamento com o lado Erudito e Folk, produzindo um álbum foda e melhor dividido. Detalhe que a banda sempre tem algumas vinhetas entre as faixas, sempre eruditas. O sucesso de "Awaking The Centuries" foi grande, principalmente em países como o México, onde rendeu um puta show que foi registrado e lançado em vídeo e álbum ao vivo em 2001, recebendo o nome de "Awaking The Gods".
O disco mais fascinante dos caras, na minha opinião, o que mais gosto por diversos motivos é o "Eppur Si Muove", lançado em 2004. Seu lado erudito continua fascinante, mas de um modo obscuro. Essa densa atmosfera é reforçada pelos pesados e arrastados riffs do Death Metal com um gutural cavernoso que dá um charme negro às canções. Todos os tipos de vocal são utilizados de forma pontual e fascinante, produzindo as melhores canções que os caras já fizeram, todas em um único álbum. Os elogios não ficam só por aí. O trabalho, que é conceitual, é uma narração da trajetória da vida científica de Galileu Galilei, lutando para provar que a Igreja Católica estava equivocada e que suas teorias, inclusive o reforço do heliocentrismo proposto por Copérnico, estavam corretas. Até o nome do disco faz alusão a sua vida, pois "eppur si muove" significa "contudo, se move", frase que Galileu teria sussurrado antes de dar uma de espertinho e tirar o seu da reta ao negar suas descobertas à Igreja frente à "Santa" Inquisição. Fez certo, melhor prisão domiciliar perpétua e continuar os estudos do que morrer. A primeira canção dos caras que ouvi está nesse álbum, a fodástica "The Observer". Outras faixas lindas, poderosas, fantásticas e sucessos absolutos também compõem o acervo, como "All'inizio È La Morte", "Per Aspera Ad Astra", "Eppur Si Muove" e a belíssima "Herr Mannelig". Com certeza, um disco recomendadíssimo!
Por fim, em 2008, o fodaço "Tales of Ithiria" é lançado. Novamente, um disco da qualidade do Haggard. Perfeito e com classe! O diferencial é que o lado erudito está mais forte, ainda mais desenvolvido, talvez por acontecer de forma inevitável mesmo pelo natural amadurecimento da banda. Além disso, belas narrações executadas por Mike Terrana (baterista em bandas como Axel Rudi Pell e Tarja Turunen) e sua poderosa e grave voz foram adicionadas, tornando o álbum realmente épico, parecendo até as narrações de Christopher Lee no Rhapsody of Fire. O disco é conceitual, novamente, mas dessa vez se tratando de uma fantasia composta pelo vocalista gutural e guitarrista Asis Nasseri. O nome inicialmente seria "A Dark Winter's Tale", mas a mudança de título acabou ocorrendo. Outro grande álbum, de fato!
O Haggard certamente é uma banda/orquestra diferenciada no underground, pois seu lado erudito não é apenas para base, como geralmente é nas outras bandas, mas têm participação decisiva e integral no som. Um conjunto diferente e fascinante, que impõe respeito. Apesar de já fazer um tempo desde seu último lançamento, eles seguem na ativa, e espero que mais álbuns sejam lançados no futuro!


 Progressive (EP) (1994)

01 - Charity Absurd
02 - Mind Mutilation
03 - Incapsuled
04 - Progressive...
05 - Daddy Was Her First Man


 And Thou Shalt Trust... The Seer (1997)

01 - The Day As Heaven Wept
02 - Origin of A Crystal Soul
03 - Requiem In D-Minor
04 - In A Pale Moon's Shadow
05 - Cantus Firmus In A-Minor
06 - De La Morte Noire
07 - Lost (Robin's Song)
08 - A Midnight Gathering (Outro)


 Awaking The Centuries (2000)

01 - Intro: Rachmaninov: Choir
02 - Intro: Pestilencia
03 - Chapter I: Heavenly Damnation
04 - Chapter II: The Final Victory
05 - Chapter II: Saltorella La Manuelina
06 - Chapter III: Awaking The Centuries
07 - Chapter III: Statement Zur Lage der Musica
08 - Chapter IV: In A Fullmoon Procession
09 - Chapter IV: Menuett
10 - Chapter V: (Part I) Prophecy Fullfilled, (Part II) And The Dark Night Entered
11 - Chapter V: Courante
12 - Chapter V: Rachmaninov: Choir


 Awaking The Gods: Live In Mexico (Live) (2001)

01 - Intro: Rachmaniov Choir
02 - Medieval Part
03 - Lost (Robin's Song)
04 - Prophecy Fulfilled/And The Dark Night Entered
05 - Menuett
06 - Origin of A Crystal Soul
07 - Awaking The Centuries
08 - Courante
09 - In A Fullmoon Procession
10 - The Final Victory
11 - In A Pale Moon's Shadow


 Eppur Si Muove (2004)

01 - All'inizio È La Morte
02 - Menuetto In Fa-Minore
03 - Per Aspera Ad Astra
04 - Of A Might Divine
05 - Gavotta In Si-Minore
06 - Herr Mannelig (Short Version)
07 - The Observer
08 - Eppur Si Muove
09 - Largetto: Epilogo Adagio
10 - Herr Mannelig (Long Version)


 Tales of Ithiria (2008)

01 - The Origin
02 - Tales of Ithiria
03 - From Deep Within
04 - Upon Fallen Autumn Leafs
05 - In des Königs Hallen
06 - La Terra Santa
07 - Vor dem Sturme
08 - The Sleeping Child
09 - Hijo de La Luna (Mecano Cover)
10 - On These Endless Fields
11 - The Hidden Sign


Nenhum comentário:

Postar um comentário